conteúdos
links
tags
Conferências
Dia 7 de novembro, às 15h00, na sala 5.3.27 do Departamento de Educação e Psicologia
Educação científica crítica e reflexiva: contribuições e desafios no processo de construção de uma ferramenta avaliativa
Departamento de Educação
A apresentação e discussão dos resultados parciais do projeto “Educação científica crítica e reflexiva: contribuições e desafios no processo de construção de uma ferramenta avaliativa”, decorre a 7 de novembro, às 15h00, no Departamento de Educação e Psicologia da Universidade de Aveiro. O estudo foi coordenado por Denise de Freitas, professora do Departamento de Metodologia de Ensino da Universidade Federal de São Carlos, campus São Carlos/SP Brasil, em parceria com diversas universidades e pesquisadores da área da Educação.

Considerando a necessidade de uma educação científica crítica e reflexiva para a formação de cidadãos comprometidos com a construção de um modelo de sociedade social e ambientalmente mais justa este projeto tem como meta global construir uma ferramenta avaliativa que permita analisar práticas, materiais didáticos e processos educativos na educação básica e na formação de professores de ciências respaldada numa perspectiva de educação científica crítica e reflexiva.

Assumindo o marco dos estudos CTSA e do Paradigma da Complexidade e apoiado no Método Delphi, o estudo contou com a participação de 37 especialistas, pesquisadores da área de educação em ciências da América Latina (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia) e Europa (Portugal e Espanha), que refletiram e se posicionaram sobre aspectos de uma educação científica crítica.

No decorrer do estudo destaca-se a compreensão que os especialistas têm sobre o longo caminho a ser percorrido para o desenvolvimento de uma educação cientifica crítica, considerando a permanente adoção de práticas tradicionais com abordagens de conteúdos específicos desarticulados e de interações limitadas com a vida dos estudantes. Além disso, as abordagens adotadas em sala de aula não favorecem o desenvolvimento da capacidade interpretativa e argumentativa da e sobre a ciência e, tampouco, estimula o engajamento dos estudantes em questões sociocientíficas e ambientais com potencial para promover uma participação cidadã.

Os especialistas são unânimes ao considerar que a meta a ser alcançada por uma educação científica crítica é a participação política do estudante, a partir de uma compreensão da sociedade atual e do combate às diferentes formas de discriminação e desigualdades e a necessidade de um currículo interdisciplinar que priorize uma abordagem do conhecimento contextualizado a partir de sua problematização.

Este estudo tem possibilitado compreender como especialistas da área significam a educação científica numa perspectiva crítica e, consequentemente, tem subsidiado a construção de parâmetros para avaliar a sua presença nas políticas educacionais e de formação de professores e em processos e práticas no ensino de Ciências, por meio da elaboração de uma ferramenta avaliativa. Nesse momento, esta ferramenta, ainda em fase de refinamento, está sendo testada por professores da Educação Básica e estudantes de cursos de licenciatura das áreas de Ciências da Natureza, por meio da análise de materiais didáticos escolares.

Nesta sessão, serão apresentados os resultados parciais da pesquisa e da ferramenta avaliativa tendo como expectativa estimular o debate sobre as perspectivas atuais para uma educação científica escolar que possibilite a construção de conhecimentos pertinentes às demandas sociais, culturais e ambientais capazes de orientar a atuação consciente dos estudantes na sociedade, bem como refletir sobre os indicadores para avaliar a Educação Científica Crítica.

abordagens de conteúdos específicos desarticulados e de interações limitadas com a vida dos estudantes. Além disso, as abordagens adotadas em sala de aula não favorecem o desenvolvimento da capacidade interpretativa e argumentativa da e sobre a ciência e, tampouco, estimula o engajamento dos estudantes em questões sociocientíficas e ambientais com potencial para promover uma participação cidadã. Os especialistas são unânimes ao considerar que a meta a ser alcançada por uma educação científica crítica é a participação política do estudante, a partir de uma compreensão da sociedade atual e do combate às diferentes formas de discriminação e desigualdades e a necessidade de um currículo interdisciplinar que priorize uma abordagem do conhecimento contextualizado a partir de sua problematização. Este estudo tem possibilitado compreender como especialistas da área significam a educação científica numa perspectiva crítica e, consequentemente, tem subsidiado a construção de parâmetros para avaliar a sua presença nas políticas educacionais e de formação de professores e em processos e práticas no ensino de Ciências, por meio da elaboração de uma ferramenta avaliativa. Nesse momento, está ferramenta, ainda em fase de refinamento, está sendo testada por professores da Educação Básica e estudantes de cursos de licenciatura das áreas de Ciências da Natureza, por meio da análise de materiais didáticos escolares. Nessa sessão, serão apresentados os resultados parciais da pesquisa e da ferramenta avaliativa tendo como expectativa estimular o debate sobre as perspectivas atuais para uma educação científica escolar que possibilite a construção de conhecimentos pertinentes às demandas sociais, culturais e ambientais capazes de orientar a atuação consciente dos estudantes na sociedade, bem como refletir sobre os indicadores para avaliar a Educação Científica Crítica.

imprimir
tags
evento relacionado
 
outras notícias