conteúdos
links
tags
Cultura
Evento a 23 de novembro, 21h30, Auditório do DeCA – Universidade de Aveiro (UA)
Festivais de Outono: recital “Música Ibérica” com o pianista Daniel Cunha
Daniel Cunha interpreta música ibérica ao piano no dia 23 de novembro
O recital de música ibérica, com o pianista Daniel Cunha, integrado nos Festivais de Outono 2017, dia 23 de novembro, assinala duas efemérides. Por um lado, os cem anos da morte do compositor português Alfredo Napoleão e, por outro, os cento e cinquenta anos do nascimento do compositor espanhol Enrique Granados, grande figura do nacionalismo espanhol. O recital acontece às 21h30, no Auditório do Departamento de Comunicação e Arte da UA.

O recital começa com o Prelúdio e Fuga op. 41 em fá sustenido menor, de Alfredo Napoleão. Pianista e compositor português, Napoleão nasceu no Porto, em 1852, e faleceu em Lisboa, em 1917. O Prelúdio e Fuga op. 41 em fá sustenido menor é uma obra em que as linguagens barroca e romântica se entrelaçam e quase entram em conflito, considera Daniel Cunha. A Lenda da Beira op. 39 tem como inspiração uma estrofe do Canto III dos Lusíadas de Luís de Camões referente à lenda de Inês de Castro. O estudo-capricho Suspiros do Tejo op. 38 representa um tranquilo dueto amoroso sobre as águas do Tejo.

O alegre Rondó op. 47, também de Alfredo Napoleão, vai beber muito ao espírito dos rondós de Chopin, como o do Concerto para Piano e Orquestra nº 1 ou o Rondó op. 16 para piano solo do compositor polaco, carateriza o pianista português. No entanto, acrescenta, Alfredo Napoleão surpreende neste seu op. 47, justapondo o espírito “chopiniano” a texturas barrocas, quase “scarlattianas”, e a marchas impetuosas que lembram Schumann, num conjunto surpreendente e cheio de vivacidade.

A Espanha de Enrique Granados está intimamente associada à Espanha do pintor Francisco Goya e a suite Goyescas para piano é fruto dessa influência, explica Daniel Cunha. Esta obra maior do nacionalismo espanhol conta uma história de amor trágica entre um majo e uma maja. Obra de intensa sensualidade, tem um carácter quase improvisatório e combina a influência de Wagner, do piano Romântico do séc. XIX, com os sons característicos de Espanha. Algumas peças “goyescas” são inspiradas em particular por alguns dos Caprichos (coleção de gravuras) de Goya, como são o caso de uma das seleções desta suite que temos no programa: Los requiebros, assinala o pianista.

Por sua vez, afirma ainda, Quejas o la maja y el ruiseñor, uma das páginas mais populares de Granados, e o Fandango de candil, dança plena de espírito e virtuosismo, não têm inspiração direta em nenhuma obra de Goya, mas partilham o espírito do “majismo”.

O programa é completado com a obra mais célebre de Granados, a Dança Espanhola nº 5, que se tornou tão popular na sua transcrição para guitarra que quase custa a acreditar que não tenha sido escrita originalmente para esse instrumento, cometa o pianista.

Daniel Cunha, pianista

Natural do Porto, já foi professor de Mestrado no Instituto Piaget, em Viseu. Atualmente é professor de piano na Academia de Música de Espinho e na Escola de Música Guilhermina Suggia. Daniel Cunha, obteve em 2011, com distinção, o grau de Doutor em Artes Musicais com Especialização em Piano pela Universidade do Kansas (E.U.A.), onde trabalhou com Sequeira Costa e onde já obtivera antes, em 2006, o grau de Mestre em Música. Foi um dos últimos discípulos de Sequeira Costa (aluno de Vianna da Motta, Mark Hamburg, Edwin Fischer, Marguerite Long e Jacques Février), tendo recebido deste os mais valiosos conhecimentos pianísticos na tradição da Era Dourada do Piano. Tem orientado masterclasses de piano tanto em Portugal como nos Estados Unidos e apresenta-se em público com regularidade, em salas e festivais de reconhecida relevância cultural, em Portugal, E.U.A e Europa, em recitais a solo, música de câmara, e com orquestra, muitos deles radiodifundidos no nosso país e no estrangeiro.

Programa – “Música Ibérica”, celebrando a Música de Alfredo Napoleão (Portugal) e de Enrique Granados (Espanha)

23 de novembro, 21h30, Auditório do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro

Alfredo Napoleão (1852-1917)

Prelúdio e Fuga op. 41

Suspiros do Tejo. op 38

Lenda da Beira op. 39

Rondo op. 47

Intervalo

Enrique Granados (1867-1916)

Dança Espanhola nº 5

Selecções da Suite Goyescas (Los majos enamorados): 

Los Requiebros (Galanteios)

Quejas o la maja y el ruiseñor (Lamentos ou a maja e o rouxinol)

El fandango de candil (O fandango à luz de candeia)

imprimir
tags
evento relacionado
 
outras notícias