conteúdos
links
tags
Ensino e Formação
Mestrado em Biotecnologia do Departamento de Química da UA
Bioempreendedorismo: uma unidade curricular de mangas arregaçadas a pensar no mercado de trabalho
Departamento de Química
Promover o empreendedorismo e o bioempreendedorismo e dar a conhecer as técnicas utilizadas para dar vida a uma ideia de negócio, em especial na área das biociências, são dos principais objetivos da unidade curricular (UC) Bioempreendedorismo do Mestrado em Biotectonologia do Departamento de Química da Universidade de Aveiro (UA). Para tal, com a ajuda de Sílvia Rocha e Ana Daniel, professoras dessa UC, os estudantes são desafiados a arregaçarem as mangas no desenvolvimento de produtos e a estruturarem a respetiva implementação no mercado.

Sangria num pré-preparado de fruta único, rebuçados de Vinho do Porto, bolachas de aveia com frutos de Portugal, uma massa de panquecas pronta a confecionar feita também de frutos nacionais ou ainda produtos na área da saúde e cosmética são apenas algumas das ideias desenvolvidas pelos estudantes na UC ao longo deste ano letivo. Ideias essas, sublinha Sílvia Rocha, que “podem interessar à indústria no sentido que estão em linha com as atuais tendências de mercado a nível nacional e internacional e tentam dar resposta aos desafios societais atuais”. Este ano os estudantes tiveram como desafio central criar valor a partir dos recursos endógenos portugueses.

Com este desafio lançado pela UC, explica Sílvia Rocha, “a ideia é que os estudantes possam fazer a ponte entre as suas competências na área da biotecnologia e os conhecimentos teóricos que estão a aprender nas teóricas e, como tal, possam desenvolver um projeto que resulte da fusão de conhecimentos e competências”.

A UC “pretende desenvolver nos alunos a capacidade de autonomia, espírito de inovação e empreendedorismo, e intervenção/ integração no mercado de trabalho em empresas de base biotecnológica, agroalimentar, farmacêutica, ambiental, agroquímica ou afins”. Ao longo do ano letivo, aponta Sílvia Rocha, “o estudante é incentivado a integrar conhecimentos multidisciplinares, e formular julgamentos envolvendo uma reflexão ao nível dos aspetos científico-tecnológicos, ambientais, éticos e sociais, visando a fundamentação de soluções para a resolução de problemas de natureza diversa, aproximando-os da realidade do contexto de trabalho”. 

imprimir
tags
outras notícias