conteúdos
links
tags
Entrevistas
Antigo aluno UA - João Pires da Fonte, licenciado em Engenharia de Materiais
Chegar, trabalhar e vencer na Grohe Portugal
João Pires da Fonte
É o responsável pela gestão do Departamento de Fundição da Grohe Portugal. Chama-se João Pires da Fonte e, em 2003, chegou à empresa alemã pela mão da Universidade de Aveiro (UA) para realizar o estágio curricular da Licenciatura em Engenharia de Materiais. O trabalho que realizou não deixou margem para dúvidas. Foi convidado a ficar. Hoje, aos 39 anos, João Pires da Fonte é uma das peças chave na empresa que é uma referência europeia no setor metalúrgico.

Chegou à Grohe Portugal para realizar o estágio curricular com que haveria de concluir a Licenciatura em Engenharia de Materiais no então Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro (atualmente designado por Departamento de Engenharia de Materiais e Cerâmica) da UA. Depois, foi convidado a regressar, desta vez para as funções de engenheiro de processo no Departamento de Fundição. Exerceu o cargo durante 5 anos, ao fim dos quais lhe foi proposto toda a gestão daquele Departamento

Nos últimos anos fez uma pós-graduação em Gestão de Operações e Serviços Industriais no CENERTEC- Centro de Energia e Tecnologia e teve também por missões algumas comissões de serviço na Grohe, umas internas noutros departamentos de operações, e outras externas na China, na Tailândia e na Alemanha.

Quais os motivos que o levaram a estudar na UA?

O curso de Engenharia de Materiais e informação de colegas sobre as excelentes condições que a UA dispunha.

O curso correspondeu às suas expectativas?

Sim, o curso correspondeu as minhas espectativas, tal como a UA.

O que mais o marcou na UA?

O que mais me marcou na UA foi a abertura e disponibilidade do corpo docente, principalmente no Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro [actualmente designado por Departamento de Engenharia de Materiais e Cerâmica (DEMaC)], bem como, as infraestruturas da UA.

Sempre soube a profissão que queria seguir?

Sim, mas foi a partir do 4º ano que dentro da engenharia de materiais decidi seguir o ramo metalúrgico.

Como descreve a sua atividade profissional?

Desafiante! A fundição é um processo que apesar de todos os controlos existentes o comportamento do material fundido, trás sempre surpresas. Logo, o dia a dia nunca é monótono.

O que mais o fascina na sua atividade profissional?

Liderança de pessoas.

Que competências adquiridas na UA entende terem sido fundamentais para o exercício da sua atual atividade?

Os conhecimentos teóricos adquiridos que utilizei para desenvolver competências técnicas.

imprimir
tags
outras notícias