conteúdos
links
tags
Ensino e Formação
Oferta formativa da UA alarga-se a mais de centena e meia de cursos
Novos cursos vão funcionar na Universidade de Aveiro já no próximo ano letivo
Novos cursos vão funcionar na Universidade de Aveiro já no próximo ano letivo
Mestrado Integrado em Engenharia Computacional; Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica; Mestrado Integrado em Engenharia dos Materiais; Licenciatura em Tecnologia e Sistemas de Produção; Licenciatura em Geologia. São estes os novos cursos de formação inicial que a Universidade de Aveiro (UA) vai oferecer já a partir do próximo ano letivo. Novidade será igualmente a estreia de três novos percursos na licenciatura em Línguas e Relações Empresariais. Ao nível do 2.º Ciclo vai também funcionar pela primeira vez o Mestrado em Português Língua Estrangeira/Língua Segunda.

Para além destas novidades, há ainda duas licenciaturas que, tendo sido reestruturadas, assumirão novas designações já a partir do próximo ano letivo: ‘Design do Produto e Tecnologia’ e ‘Secretariado e Comunicação Empresarial’. A oferta formativa da UA passa assim a integrar 54 cursos superiores de 1.º ciclo (licenciaturas e mestrados integrados), 59 mestrados e cursos de especialização, 36 programas doutorais, oito cursos de formação avançada e 15 cursos técnico superior profissionais.

“Na Universidade de Aveiro temos uma preocupação constante com a qualidade, pertinência e atratividade dos nossos cursos. Por isso, fazemos regularmente reestruturações pontuais da oferta, propondo novos cursos e atualizando os existentes. Esta preocupação constante tem permitido que a UA se mantenha, ao longo dos anos, entre as universidades portuguesas mais procuradas pelos estudantes e que asseguram melhores taxas de empregabilidade”, afirma o Vice-Reitor, Gonçalo Paiva Dias.

As candidaturas ao ensino superior estão à porta e no próximo ano letivo, ao nível do primeiro ciclo de estudos superiores, a UA abrirá 2.089 vagas em 54 cursos: 10 mestrados integrados, 25 licenciaturas em meio universitário e 19 licenciaturas da responsabilidade das suas quatro escolas politécnicas.

Engenharia Computacional

É único no país. O Mestrado Integrado em Engenharia Computacional destina-se a formar profissionais que queiram trabalhar em áreas científicas e tecnológicas onde a modelação e simulação computacional, ou a análise e o tratamento de grandes quantidades de dados usando algoritmos computacionais sofisticados sejam determinantes. 

Este curso visa, assim, formar profissionais capazes de desenvolver e utilizar software que estude, modele e simule fenómenos e processos naturais, tendo em vista o desenvolvimento de novos produtos industriais e a procura de soluções em engenharia.

Através de uma formação de base estruturante em física, matemática e informática, uma escolha criteriosa das disciplinas de opção e a seleção de temas para trabalhos de projeto (no 3º ano) e tese de mestrado (no 5º) orientados por docentes de departamentos adequados, os formandos poderão trabalhar na indústria ótica e fotónica; automóvel e aeroespacial; metalomecânica; química e farmacêutica; de software, de jogos de computador e animação gráfica; de semicondutores; de petroquímica; de moldes ou ainda no desenvolvimento de novos materiais ou no setor da banca e seguradoras.

No final dos cinco anos de formação, estes novos profissionais estarão aptos a trabalhar também na área da consultadoria, por exemplo em empresas para prospeção de dados da internet, em logística, marketing digital e investigação em instituições públicas e em laboratórios de I&D privados.

De acordo com o diretor do Departamento de Física, João Miguel Dias, esta primeira formação nacional em Engenharia Computacional segue a tendência mundial que levou à criação com enorme sucesso e grande empregabilidade de cursos de 'Computational Science and Engineering' em países como a Alemanha ou os Estados Unidos da América. 

“O curso procura aliar o profundo conhecimento científico atingido na modelação computacional de fenómenos naturais à crescente disponibilidade de softwares que possibilitam a simulação eficiente desses processos e à crescente necessidade encontrada pelas empresas em simular protótipos no processo de conceção e otimização de novos produtos, em alternativa aos processos convencionais de custo muito mais elevado”, explica o docente, acrescentando que o Mestrado Integrado em Engenharia Computacional fornece ainda “uma forte formação em informática e modelação, que permite aos formandos abraçarem as novas problemáticas do mundo digital, onde a disponibilidade de enormes quantidades de dados requer o seu tratamento e modelação para que os mesmos possam ser entendidos e utilizados. Neste sentido, este curso estimula a integração de conhecimento de múltiplas áreas e a capacidade de concretizar projetos de engenharia, estando a sua formação alicerçada em contributos de diversas áreas de especialidade da UA (Física, Informática, Matemática, Ciências Médicas, Engenharia Mecânica, Química, Ambiente, Geociências, etc.), permitindo ao aluno definir um perfil de maior especialização numa destas áreas.”

Engenharia Biomédica

Novo é também o Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Este programa multidisciplinar procura formar profissionais capazes de encontrar soluções tecnológicas inovadoras para os problemas relacionados com a saúde, em áreas como imagem médica, instrumentação médica; física médica, radioterapia, biodispositivos, biomateriais, processamento e tratamento de sinais biomédicos, bioinformática, gestão de informação médica, etc.; que produzam um efetivo benefício no diagnóstico e tratamento médico, monitorização e controlo clínico e na qualidade de vida em geral. É ainda objetivo que estes profissionais possam contribuir para o desenvolvimento tecnológico e científico no contexto de investigação ao mais alto nível a desenvolver, por exemplo, nas Unidades de Investigação nacionais ou estrangeiras na área da engenharia biomédica.

Nesta formação de 5 anos, os estudantes podem escolher diferentes percursos através das unidades curriculares optativas: Radiação e Imagem Médica; Instrumentação e Dispositivos Biomédicos; Informática Clínica e Bioinformática; e Biomateriais.

Este curso pretende fornecer bases sólidas em ciências de engenharia, em ciências biomédicas de espetro largo e em ciências da especialidade. Nos três primeiros anos é fornecida a formação de base em matemática, física, química, eletrónica, informática, materiais e ciências biomédicas. Os últimos dois anos são dedicados ao estudo mais especializado com uma escolha alargada de Unidade Curriculares optativas.

As parcerias estabelecidas com diferentes instituições de saúde e biomédicas irão permitir uma maior proximidade e interação dos alunos com os setores onde a prática médica e biomédica se desenvolve.

Trata-se de um curso com muita procura e enorme potencial de empregabilidade que a Universidade de Aveiro passa a oferecer graças aos recursos de elevada qualidade que possui nesta área, esclarece João Miguel Dias, adiantando: “uma mais-valia desta nova formação consiste nas parcerias estabelecidas com diferentes instituições de saúde e biomédicas, permitindo uma maior proximidade e interação dos alunos com os setores onde a prática médica e biomédica se desenvolve”.

Os Engenheiros Biomédicos formados pela UA estarão aptos a compreender, modelar e criar sistemas biomédicos complexos, podendo exercer a sua atividade profissional em empresas de equipamento e instrumentação médica; unidades prestadoras de serviços de saúde (Hospitais, Centros de Saúde e Clínicas e Laboratórios Clínicos) nas áreas de física hospitalar, engenharia clínica e manutenção de equipamento; centros de diagnóstico; investigação e desenvolvimento em laboratórios de empresas; empresas de material farmacêutico e indústria farmacêutica e de análises; laboratórios de universidades e institutos públicos; empresas de biomateriais; empresas ligadas à área da saúde: consultoria e prestação de serviços no âmbito do controlo da qualidade de equipamentos e, ainda em investigação em Unidades de Investigação nacionais ou estrangeiras na área da engenharia biomédica.

Engenharia de Materiais

No ano letivo 2016/2017, o Departamento de Engenharia de Materiais e Cerâmica (DEMaC) comemora 40 anos de oferta formativa na área da Ciência e Engenharia dos Materiais e inicia a lecionação do Mestrado Integrado em Engenharia de Materiais (MIEM), em substituição da formação (licenciatura e mestrado) até agora existente.

No novo plano de estudo é reforçada a formação em engenharia e tecnologia, é alargada a componente formativa em áreas tecnológicas emergentes (como as nanotecnologias, os biomateriais ou a sustentabilidade) e em áreas de gestão e criação de valor (como o empreendedorismo e a inovação) e é incrementado o contacto do aluno com o meio industrial ao longo da sua formação.

Segundo o Diretor de Curso, Augusto Lopes, “a concretização destes múltiplos objetivos envolveu a criação de novas unidades curriculares e a substituição ou reformulação dos conteúdos de várias outras, de forma a garantir que o DEMaC possa satisfazer novas necessidades de formação e dar continuidade ao seu já longo e reconhecido papel na formação e investigação na área da ciência e engenharia dos materiais”.

Com o novo plano de estudos, um corpo docente experiente e altamente especializado, um ambiente estimulante, enquadrado por uma investigação de referência a nível nacional e internacional e recursos de elevada qualidade, a formação oferecida pelo DEMaC fica reforçada para responder de uma forma mais eficiente às exigências presentes e futuras de um mercado de trabalho e continuar a garantir uma das maiores taxas de empregabilidade do país.

O mercado de trabalho dos Mestres em Engenharia de Materiais formados pelo DEMaC é extremamente diversificado e inclui as áreas da qualidade, desenvolvimento e processamento na Indústria, nos Serviços e na Investigação ligados à produção ou utilização de materiais metálicos, cerâmicos, poliméricos ou compósitos como, por exemplo, empresas de nanotecnologia e de biomateriais, cerâmicos para loiça, sanitários, pavimento e revestimento, vidros (plano, de embalagem, etc.), extrusão e injeção de polímeros, componentes e moldes metálicos, fundição de ligas metálicas, tratamentos térmicos, de superfície e revestimentos, produtos naturais (cortiça, madeira, etc.) e seus derivados, compósitos reforçados (fibra de vidro, carbono, etc.), reciclagem e valorização, inspeção e certificação, etc.

Geologia

A recém aprovada licenciatura em Geologia é outra das novas ofertas formativas da Universidade de Aveiro para o ano letivo 2016/2017. O curso tem como objetivo principal desenvolver uma sólida formação interdisciplinar na área da Geologia e promover um conjunto alargado de competências teóricas e práticas que habilitem os futuros diplomados para um exercício profissional de liderança, inovador e socialmente válido neste domínio do conhecimento.

A procura incessante de recursos minerais e energéticos, a sustentabilidade dos recursos hídricos, a mitigação de riscos naturais, a exploração dos fundos marinhos, a proteção ambiental e a geologia médica e forense constituem grandes desafios da sociedade contemporânea e continuam a criar emprego na indústria e no sector público, tanto a nível nacional como internacional.

Através de um plano de estudos coerente, articulado e equilibrado, integrando um núcleo forte em Ciências Geológicas e suas aplicações (práticas laboratoriais, trabalho de campo, processamento e interpretação de dados), complementado com conhecimentos gerais em matemática, física, química e ciências computacionais “pretende-se preparar os estudantes para analisar, simular, antecipar e gerir a complexidade dos fenómenos geológicos e aplicar os seus conhecimentos e competências técnicas na resolução de problemas reais da sua área de especialidade, sem perder de vista o impacto ambiental, social e económico das soluções adotadas”, explica a Diretora de Curso, Maria do Rosário Azevedo.

O curso tem como requisitos de entrada a aprovação numa das seguintes provas de ingresso: Biologia / Geologia ou Física / Química ou Matemática A e uma duração de três anos (seis semestres). Ao completarem a sua licenciatura em Geologia, os jovens diplomados poderão ingressar diretamente no mercado de trabalho ou prosseguir os seus estudos ao nível do segundo ciclo, quer na mesma área científica, quer noutras áreas em que a formação em Geologia é relevante.

Tecnologia e Sistemas de Produção

Esta licenciatura de 3 anos, que vai passar a ser ministrada pela Escola Superior Aveiro Norte (ESAN), em Oliveira de Azeméis, vem juntar-se à de Design do Produto e Tecnologia, também lecionada nesta Escola de Ensino Superior Politécnico da UA.

O ciclo de estudos em Tecnologia e Sistemas de Produção, conducente ao grau de licenciado com 180 ECTS, pretende conferir uma formação específica que permita a estes novos profissionais trabalhar em empresas de base tecnológica, industrial ou prestadoras de serviços, vocacionadas para o projeto, construção, programação e implementação de equipamentos e sistemas integrados de produção industrial.

De acordo com o Diretor de Curso, Paulo Lima, esta licenciatura pretende preparar licenciados para um novo paradigma industrial em desenvolvimento na Europa, assente na criação de fábricas inteligentes, com sistemas avançados de produção. “Os estudantes irão ao longo do curso adquirir conhecimentos e competências práticas na área da automação, robótica e informática industrial, instrumentação e controlo, e do fabrico assistido por computador. Os licenciados poderão desenvolver a sua atividade em empresas de base tecnológica e industrial vocacionadas para o projeto, construção, programação e implementação de equipamentos e sistemas integrados de produção industrial”.

Importa ainda acrescentar que a licenciatura em Línguas e Relações Empresariais vai passar a ter a opção de russo, oferendo já a partir do próximo ano letivo três novos percursos: Inglês, Alemão e Russo; Inglês, Espanhol e Russo; Inglês, Francês e Russo.

O prazo para apresentação de candidaturas ao concurso nacional de acesso ao ensino superior começa quinta-feira, 21 de julho, e termina a 10 de agosto.

Conheça toda a oferta formativa da Universidade de Aveiro em http://www.ua.pt/ensino

 

imprimir
tags
veja também
 
outras notícias