conteúdos
links
tags
Divulgação de Ciência
Série começa a circular a 7 de junho
Diretor do Laboratório de Ilustração Científica da UA coordena e ilustra a série filatélica “Mamíferos Predadores”
Raposa desenhada por Fernando Correia
A série de selos sobre seis mamíferos predadores, desenhada por seis ilustradores científicos portugueses, coordenada por Fernando Correia, diretor do Laboratório de Ilustração Científica e docente do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro (UA), que também ilustra um dos selos, iniciará a sua circulação pelos postos dos CTT Correios de Portugal a 7 de junho.

A emissão chama a atenção para a fascinante biodiversidade do nosso território, através do olhar de cada mamífero que devolve o nosso próprio olhar, para que assim constatemos o seu direito a existir, refere Fernando Correia. “Um selo é uma amostra da nossa riqueza, daquilo que temos de único e nos torna singulares. Nestas pequenas peças comunicacionais, destaco aqueles que comunicam ciência e conhecimento e onde a ilustração científica ganha esplendor, para além da função mais óbvia". E acrescenta: “São peças da nossa identidade e também pequenas sementes que brotam na mente de quem os vê”.

“Embora não seja filatelista, desde criança que eu convivo com as realidades culturais que os selos emanam. O meu pai foi o culpado, num breve período em que mergulhou no mundo da filatelia. Culpado disso e de tantos outros gostos que habilmente soube cultivar em mim. Desde cedo medrou assim, o maravilhado gosto pela natureza (sou biólogo) e a paixão pelo desenho a ela devoto (sou especialista em ilustração científica)”, comenta.

Apelo à conservação e exercício de fascínio

Para Fernando Correia “desenhar um selo é também ser um ativista, pois através da imagem por mim desenhada ele irá transportar uma ideia, uma curiosidade, um cuidado, um aviso para algo que também é belo e que deve ser acarinhado e protegido.” Foi isso mesmo que sentiu e procurou fazer passar quando, em 2013, desenhou para as Nações Unidas quatro espécies ameaçadas de extinção (http://uaonline.ua.pt/pub/detail.asp?lg=pt&c=35749).

Mas esta emissão filatélica, afirma, deu-lhe uma ainda maior satisfação, pois pode conciliar a sua formação de base, como biólogo, com a de comunicador científico através da imagem, coordenando cientificamente, sistematizando e criando a base de conteúdos científicos desta série (e das próximas que virão), num processo por etapas. Foi ainda incumbido do texto introdutório que apresenta a série “Mamíferos Predadores" na Pagela Anunciadora – produto tão ambicionado por todos os filatelistas de Portugal e além-fronteiras.

Com esta iniciativa, não só se dá a conhecer, apelando à estética que fascina, através do desenho científico, como também se promove a conservação e sustentabilidade destes animais, afinal tão necessários. Neste processo, explica ainda o coordenador da coleção, fica patente que a imagem, com arte, é complemento e até suplemento da ciência, numa sinergia que cumprirá melhor a missão de valorizar - para melhor preservar - o património natural luso.

imprimir
tags
outras notícias