conteúdos
links
tags
Opinião
Opinião de Anabela Pereira, professora do Departamento de Educação
A 10 de outubro assinala-se o Dia Mundial da Saúde Mental
Anabela Pereira
O Dia Mundial da Saúde Mental motiva o texto de opinião de Anabela Pereira, professora do Departamento de Educação e psicóloga clínica, faz um balanço do trabalho desenvolvido pela Universidade de Aveiro na promoção da saúde mental, na prevenção e intervenção ao nível do stresse e ansiedade e na investigação no âmbito da Psicologia. E lembra que no país "23 por cento dos portugueses tem um problema de Saúde Psicológica".

No dia 10 de outubro, celebra-se o Dia Mundial da Saúde Mental que tem como objectivo alertar a atenção pública para uma problemática que atinge todas as nações. Embora neste dia possamos estar mais conscienciosos sobre esta problemática, a saúde mental deve ser uma preocupação constante. A organização Mundial de Saúde alerta para o aumento das perturbações mentais sendo a doença mental como uma das principais doenças incapacitantes do presente século. A depressão é apontada como a segunda causa incapacitante na união europeia.

Preocupados com as consequências e custos económicos que as doenças mentais têm quer na sociedade quer nas famílias, a Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho (EU-OSHA) iniciou em 2014, uma Campanha intitulada  Healthy Workplaces Manage Stress que visa essencialmente sensibilizar para o problema crescente do stresse e dos riscos psicossociais relacionados com o trabalho bem como promover a saúde  e bem estar dos indivíduos no geral.

Por exemplo em Portugal um estudo recente indica que 23 por cento dos portugueses tem um problema de Saúde Psicológica, sendo que os problemas mais comuns estão relacionados com a ansiedade e a depressão, levando à diminuição da produtividade causada pelo absentismo e presentismo acarretando elevados custos para o país. Estima-se que existam mais de 100 mil doentes esquizofrénicos. As taxas de suicídio continuam a aumentar quer nas camadas juvenis quer nos idosos. Perante tais factos desde 2013, encontra-se em vigor um plano de promoção da saúde mental, que procura: melhorar as estratégias governamentais de intervenção na saúde; promover respostas adaptadas às necessidades das comunidades; potenciar estratégias de prevenção e promoção da saúde mental; e fomentar a prática de investigação, facilitando o acesso à informação à população.

Os dados epidemiológicos relativos à saúde mental em Portugal são escassos, no entanto, os mesmos aparentam ser semelhantes aos dos restantes países europeus.

Aproximadamente, um milhão e meio da população adulta portuguesa apresentam sintomatologia psicopatológica. No entanto, somente 1.7 por cento, da população portuguesa, procuram a ajuda dos serviços de saúde mental. Neste âmbito, têm sido desenvolvidas plataformas mais eficazes de auxílio à saúde mental, quer ao nível do sistema de saúde, quer das instituições comunitárias (como são exemplo as universidades).

Assim, a Universidade de Aveiro especificamente no Departamento de Educação, numa interdisciplinaridade com outros departamentos, tem vindo a realizar alguns estudos, nomeadamente no StressLab, na promoção da saúde mental, na prevenção e intervenção ao nível do stresse e ansiedade e na investigação no âmbito da Psicologia. Para este efeito, têm sido implementados programas de intervenção com recurso às novas tecnologias, como são exemplo o Biofeedback e os Vital Jackets. Realça-se ainda, ao nível do voluntariado, a Linha Universidade de Aveiro – LUA, onde estudantes com formação específica ajudam outros estudantes a lidar com seus problemas psicoemocionais, os quais quando necessário são encaminhados para acompanhamento psicoterapêutico realizados por especialistas em Psicologia Clinica.

Por último, importa referir o trabalho realizado pelo Centro de Saúde da Universidade de Aveiro dos SASUA, que conta com uma equipa multidisciplinar, que assegura o bem-estar físico e psicológico de toda a comunidade académica.

imprimir
tags
outras notícias