conteúdos
links
tags
Entrevistas
Entrevista a Natasha Parreira, vencedora do Prémio Vodafone Big Apps
A formação da UA deu-me diferentes aptidões e tornou-me uma profissional mais "multitask"
Natacha Parreira foi premiada pela Vodafone Big Apps
Uma antiga aluna de Novas Tecnologias da Comunicação (NTC) da Universidade de Aveiro (UA), curso concluído em 2008, fez parte da equipa premiada na mais recente edição do Prémio Vodafone Big Apps. Natacha Parreira, consultora da Novabase, integra a equipa do projeto "Through my eyes” com mais três colegas, uma aplicação que permite o planeamento de viagens de forma simplificada, onde se pode pesquisar, criar e partilhar itinerários, controlando informações importantes como o orçamento, tempo, distâncias ou mobilidade, reservar hotéis e sincronizar a viagem com o smartphone. A formação da UA permitiu-lhe adquirir diferentes aptidões que a tornaram uma profissional mais multitask.

Explique, por palavras simples e compreensíveis por não entendidos, em que consiste o projeto vencedor…

"Through my eyes" é uma aplicação que permite o planeamento de viagens de forma simplificada onde se pode pesquisar, criar e partilhar itinerários do seu interesse, controlando informações importantes como orçamento, tempo, distâncias ou mobilidade, reservar hotéis e sincronizar a viagem com o smartphone… A ideia surge da dificuldade sentida em planear uma viagem. Desta necessidade nasce o “Through my eyes". A equipa constituída por Bernardo Vésta, responsável pela estratégia e marketing, Joana Baptista, que cuida da gestão, comunicação e rede, João Bernardo, developer, e Natacha Parreira, responsável pelo visual e experience design desta aplicação inovadora e intuitiva. Sou licenciada em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro e atualmente consultora da empresa Novabase na área de visual e experience design.

Qual a grande novidade desta Apps?

Esta app é uma alternativa ao planeamento de viagens, uma vez que simplifica o processo de forma divertida. Atualmente, para planearmos uma viagem temos de pesquisar vários websites, blogs, livros, perdemos-nos na quantidade de informação que existe e temos dificuldade em filtrar.  Através desta aplicação o utilizador consegue ter acesso a informação útil para a sua viagem de acordo com os seus interesses, podendo ainda entrar em contacto com pessoas com o mesmo perfil que o seu.

Foi desenvolvido no âmbito das atividades da Novabase, ou foi um projeto desenvolvido, de forma independente, por Bernardo Véstia, Joana Baptista e João Bernardo e Natacha Parreira?

O projeto foi desenvolvido de forma independente pela equipa.

Em que fase está o projeto? Vai entrar no mercado? Quando? O que falta?

A aplicação está em fase de desenvolvimento e deverá sair para o mercado no próximo ano.

Que significado tem para si este Prémio?

Este prémio tem a sua importância não só o reconhecimento de um projeto em que já acreditávamos mas pelo acesso a apoios e mentoring que concursos como estes providenciam a ideias inovadoras, mostrando que em Portugal existe inovação e criatividade que deverão ser aproveitados. Além do prémio de dez mil euros, a equipa ganhou ainda uma viagem de uma semana a Londres, um programa de incubação de um ano no Vodafone Power Lab e a promoção de várias ações de formação e acompanhamento por especialistas em diversas áreas comerciais e técnicas. Será ainda construído um plano de marketing “à medida” com divulgação da App, depois da data de lançamento no mercado, em diversos canais da Vodafone.

Profissional mais completa com a formação da UA

Que tipo de trabalhos tem vindo a fazer como consultora da Novabase?

Enquanto consultora trabalho na equipa de Experience Design onde se trabalha em soluções de design e user experience para projetos de IT.

A formação que fez na UA – foi apenas a licenciatura em NTC, ou também fez mestrado? – corresponde às expetativas e vai ao encontro das necessidades dos trabalhos que tem vindo a realizar? Em que sentido?

Na UA fiz apenas licenciatura em NTC. Durante o meu percurso profissional trabalhei em áreas como a fotografia, design, web e comunicação, até que comecei a explorar a vertente do UX design e conceptual design. A generalidade das áreas que o curso inclui permitiu-me adquirir diferentes skills que me tornaram uma profissional mais multitask. Desenvolvi muitos dos conhecimentos que adquiri no curso e que me destacam enquanto profissional, tendo mais atenção a temas como cognição, comportamento cibernautico, perceção da imagem, etc..

Como podem os formados em NTC ser úteis no mercado de trabalho?

A tecnologia e a inovação é um campo ainda com muito por explorar. Cada aluno deverá perceber qual é o seu espaço no mercado, procurar aprender e escolher situações de trabalho que possibilitem o seu desenvolvimento enquanto profissional. A entrada no mercado é bem diferente do período de estudante, mas pode ser igualmente divertida se se gosta do que se faz. Existem novas áreas a serem exploradas no campo do IT e os alunos de NTC podem ser uma mais-valia.

Que sugestões daria aos alunos que ainda estão indecisos nas suas opções, quanto ao curso de NTC? Como os convenceria a seguir NTC?

É um curso que, embora trabalhoso, é também bastante divertido. Prepara os alunos, de forma excecional, para o mercado de trabalho.

imprimir
tags
outras notícias