conteúdos
links
tags
Campus
Inauguração a 16 de dezembro no âmbito dos 40 anos da UA
Novas instalações da ESAN são “laboratório de investigação aplicada”
inauguração ESAN
A Escola Superior Aveiro Norte (ESAN) conta com novas instalações, no Parque do Cercal – Campus para a Inovação, Competitividade e Empreendedorismo Qualificado, em Oliveira de Azeméis. Considerada como um “investimento estratégico para a região”, foram investidos na nova ESAN cinco milhões de euros, verba que não constitui “um custo mas sim um investimento na investigação, na inovação e no conhecimento desenvolvido”, frisou na ocasião o presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis (CMOAZ), Hermínio Loureiro. Espera-se que as instalações, inauguradas dia 16 de dezembro no âmbito do 40º aniversário da Universidade de Aveiro (UA), venham a acolher uma segunda licenciatura a juntar-se à já existente (em Tecnologia e Design de Produto), bem como cursos superiores de especialização, anunciou o Reitor da UA, Manuel António Assunção.

O dirigente máximo da UA destacou a intenção de se transformar a ESAN “cada vez mais num laboratório de investigação aplicada”, numa escola que “apoie o tecido económico”, que seja “facilitadora do acesso às empresas” e que “ajude ao empreendedorismo e à inovação". E deixou um desafio: “Que seja criada uma incubadora de empresas na zona de Oliveira de Azeméis, entre Douro e Vouga”.

Manuel António Assunção espera que em setembro de 2014 possam começar a ser dados cursos superiores de especialização na ESAN e que, eventualmente, possa vir a abrir uma segunda licenciatura, “se o sucesso da atual se consolidar”: em 2013/2014 a licenciatura ministrada na ESAN contou com 100 por cento de taxa de ocupação e tem uma “excelente taxa de empregabilidade”, frisou.

O Reitor da UA salientou também a “enorme relação da ESAN com o tecido empresarial da região”, comprovada com o um milhão de euros contratualizados em 2013 em projetos com empresas.

O Reitor da UA fez ainda uma pequena resenha histórica relativa aos primórdios da ESAN: em 1998/99 foram feitos os primeiros estudos sobre a possível criação desta escola; em dezembro de 2002 deu-se o arranque da rede de unidades de formação especializada e a abertura oficial do programa de formação Aveiro Norte; em 2003 tiveram início os cursos de especialização tecnológica (CET) em Ovar, S. João da Madeira e Oliveira de Azeméis; em 2004 foi criada formalmente a ESAN e em setembro de 2005 abriu a Licenciatura em Tecnologia e Design de Produto. No ano letivo 2012/2013 existiam sete CET em sete concelhos, quatro deles na ESAN.

Por seu turno, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis (CMOAZ), Hermínio Loureiro, destacou a “honra” que é “ter como parceira uma das mais prestigiadas universidades da Europa”.

Para o presidente da CMOAZ, a nova ESAN “será um ponto de partida para novos desafios”. Hermínio Loureiro mostrou-se ainda disponível para “manter e reforçar o relacionamento com a UA”.

Estiveram presentes além do Reitor da UA e do presidente da CMOA, o diretor da ESAN, Martinho Oliveira, vice reitores e antigos reitores da UA, bem como docentes e individualidades da região.

As novas instalações da escola resultam de uma “parceria significativa” entre a UA, cujos arquitetos elaboraram o projeto, e a CMOAZ. Para já, foram inauguradas as instalações. Prevê-se que as aulas e os serviços administrativos da escola comecem a funcionar no novo local no segundo semestre do presente ano letivo.

O edifício, unanimemente classificado como criativo, original, inovador e invulgar em termos arquitectónicos, tem 180 metros de comprimento e o formato de uma ponte suspensa, uma vez que pousa sob os dois extremos do terreno, respeitando a topografia do espaço.

Com uma área de implantação e área bruta de construção de 4206.00 m2, o edifício conta com laboratórios, oficinas, um auditório, biblioteca, salas de aula, salas de formação, salas de reuniões, bar e gabinetes de docentes.

A acessibilidade ao interior do imóvel é feita pelos dois extremos (os pontos de contacto com o solo), e através de três caixas de escadas que vêm do edifício até ao terreno.

No interior existe uma série de gabinetes associados a um corredor, de modo criar uma zona mais reservada ao bulício da vida deste equipamento, sendo esta zona quase de uso exclusivo dos professores. O outro eixo de circulação faz a distribuição para as salas de aulas e para os laboratórios, albergando os maiores fluxos diários de circulação, que são dos alunos.

Estas duas circulações cruzam-se apenas nas zonas em que foram introduzidos equipamentos de uso coletivo, nomeadamente caixas de escadas e instalações sanitárias. Nas extremidades do imóvel localizam-se os espaços sociais, bar, auditório e biblioteca.

Ocupando um total de 14 hectares, o edifício é inovador também ao nível da eficiência energética, pois recorre à energia geotérmica (captada no solo) e à biotermia para o aquecimento.

imprimir
tags
outras notícias