conteúdos
links
tags
Entrevistas
Pessoas UA: Pedro Martins, estudante do Mestrado Integrado em Engenharia Eletrónica e Telecomunicações
"Ter um curso não chega, devemos adquirir novas competências"
PessoasUA: Pedro Martins
Pedro Martins ambiciona ser "um elemento de mudança". Quer deixar um impacto positivo nas comunidades em que está inserido, não só no emprego que espera vir a ter, mas também no empenho que dedica às causas em que acredita. Pedro tem 22 anos, natural de Águeda, é estudante do Mestrado Integrado em Engenharia Eletrónica e Telecomunicações (MIEET) no Departamento de Eletrónica, Telecomunicações e Informática da Universidade de Aveiro (DETI-UA). Reconhece que o lidar com pessoas diferentes, em ambientes distintos e com inúmeros objetivos, deram-lhe competências que o fizeram amadurecer.

Para além de estudar na UA, está associado a alguma atividade?

Estou envolvido em algumas atividades. Desde apoiar na organização de eventos como o TEDx Aveiro ou coordenar o IX Encontro Nacional de Estudantes de Engenharia Eletrotécnica (ENE3). Sou ainda coordenador de relações empresariais no BEST Aveiro (Board of European Students of Technology).

Participei ainda em vários projetos, como a HART, um projeto académico de robótica que tinha como objetivo desenvolver um protótipo capaz de mapear e caracterizar cenários urbanos afetados por uma catástrofe, como terramotos ou incêndios. Estive ainda envolvido num projeto de educação, juntamente com bolseiros e docentes, investigando novos métodos educativos para o ensino de Análise de Circuitos, ajudando a desenvolver uma plataforma que pudesse ser usada para o estudo autónomo dos discentes.

descrição para leitores de ecrã
Pedro Martins na IX edição do Encontro Nacional de Estudantes de Engenharia Eletrotécnica, juntando mais de 80 estudantes de 9 universidades portuguesas

Quais as funções que exerce nestas atividades?

No IX Encontro Nacional de Estudantes de Engenharia Eletrotécnica (ENE3) fui coordenador geral, e estive envolvido nas relações com entidades externas. Estive, também, encarregue do programa técnico do evento, ou seja, estabeleci o contacto com os oradores, investigadores e empresas, de forma a estruturar as palestras e workshops neste Encontro. Conseguimos garantir um bom evento com 13 palestras e o feedback, quer dos estudantes, quer das empresas, foi muito positivo.

descrição para leitores de ecrã
Pedro na sessão de abertura da IX Edição do Encontro Nacional de Estudantes de Engenharia Eletrotécnica, que decorreu na UA

No BEST Aveiro a minha função é gerir as relações da associação com empresas parceiras, garantir parcerias para os nossos eventos e aproximar o tecido empresarial dos estudantes. Sou ainda responsável por gerir e liderar uma equipa de mais de 25 pessoas que estabelecem contactos com empresas.

descrição para leitores de ecrã
Pedro na tomada de posse do X Management do BEST Aveiro, como Coordenador de Relações Empresariais

Quão importante considera a participação nestas atividades?

Ter um curso não chega, devemos adquirir novas competências, o mundo está a mudar muito depressa. Devemos procurar atividades extracurriculares que nos ajudem a alcançar um conjunto de competências. A gestão de tempo, self-awareness, o trabalho em equipa, a gestão de pessoas e recursos, a liderança e o empreendedorismo… São fundamentais para crescermos pessoalmente e sermos bem-sucedidos nos desafios que o futuro nos pode trazer.

Portanto, acredita que mudou a sua forma de ser e de estar?

Sim, bastante. Sempre ambicionei estar envolvido em várias atividades, umas mais técnicas e teóricas e outras práticas. O saber lidar com pessoas diferentes, em ambientes distintos e outros objetivos, deram-me competências que me fizeram amadurecer. Ao fazer coisas extra, curso acabei por conseguir gerir melhor o stress e o tempo, mas também aprender conceitos técnicos que mais tarde vim a usar no curso, acabando por se refletir na melhoria das notas.

Há alguma história relacionada com a vida universitária que queira partilhar connosco e que o tenha marcado?

Lembro-me do projeto HART, onde se juntou uma equipa bastante ambiciosa que se desafiou a criar um robô de raiz, mesmo não tendo as competências para tal, na unidade curricular de Projeto de Engenharia Eletrotécnica, no 3º ano do Mestrado Integrado. O robot que pretendíamos fazer tinha como objetivo ser “os olhos de um bombeiro”. Equipado com vários sensores iria ser capaz de gerar um mapa virtual do edifício após uma catástrofe, para além de medir a temperatura e concentração de monóxido de carbono.

Neste projeto, recordo-me de momentos muito bons, como a felicidade de conseguir o primeiro patrocinador, de ser notícia nos jornais e de os módulos do robot funcionarem todos em conjunto pela primeira vez. Mas não foi fácil. Foram muitas horas a trabalhar depois das aulas e durante o verão para garantir que o robot iria funcionar a 100 por cento, quer na apresentação final do projeto, quer nas feiras que iríamos estar presentes. Quando fomos apresentar o projeto estava tudo a funcionar. Ver a reação da plateia, as palmas, o êxtase e o reconhecimento do trabalho que foi difícil, mas gratificante, foi sem dúvida um momento que me marcou!

descrição para leitores de ecrã
Pedro Martins na Feira Techdays 2017, apresentando o robot desenvolvido pela equipa da HART

Numa única palavra como se define?

Curioso, ando sempre à procura de desafios novos, não só académicos, mas também pessoais e profissionais. O objetivo passa sempre explorar o desconhecido e crescer com ele.

Que sonho gostaria de ver realizado?

O meu sonho é deixar um impacto positivo através das atividades que vou desenvolvendo nas comunidades onde estou inserido. É demasiado abstrato, mas acredito que posso ser um “elemento de mudança”, não só através do meu futuro emprego, mas, para além disso, do tempo que dedico a outras atividades e às causas em que acredito.

Algum país que gostasse de conhecer?

Noruega, fascina-me a cultura e o clima. Sempre desejei conhecer este país.

Um dia vou…

Mudar o Mundo. Não só ao desenvolver algo inovador na minha área tecnológica, mas também através da participação ativa na sociedade e inspirando as pessoas que me rodeiam. O quê, em concreto, só o tempo dirá.

________________________________________________________________________

A série #PessoasUA pretende mostrar as estórias e vivências das pessoas que fazem a comunidade UA. Se conhece alguém que deva estar aqui retratado, envie-nos uma mensagem para noticias@ua.pt com as suas dicas

imprimir
tags
outras notícias