conteúdos
links
tags
Distinções
Atribuído pela Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade
Trabalho de investigação do ISCA-UA ganha o 2.º lugar do Prémio Luiz Chaves de Almeida
Os determinantes das revalorizações nas empresas portuguesas sem valores cotados em bolsa
Atribuído pela Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade, as autoras: Inês Marques Santinha estudante do Mestrado em Contabilidade ramo Auditoria e a docente Cecília Rendeiro Carmo, do Instituto Superior de Contabilidade e Administração da Universidade de Aveiro (ISCA-UA), apresentaram um trabalho intitulado "Os determinantes das revalorizações nas empresas portuguesas sem valores cotados em bolsa" que lhes distinguiu o 2.º lugar do Prémio Luiz Chaves de Almeida. De mencionar que o 1.º lugar também foi atribuído a um estudante e docente do mesmo Instituto.

O trabalho tem como objetivo analisar os determinantes das revalorizações nas empresas portuguesas sem valores cotados em bolsa, com base numa amostra retirada da base de dados SABI e o período de 2010 a 2016.

Considerando que as revalorizações têm um efeito positivo nos capitais próprios e nos ativos da empresa, testa-se um conjunto de variáveis que podem explicar quer a escolha do modelo de revalorização, quer a decisão de revalorizar num determinado período.

Os resultados obtidos demonstram que a presença de Resultados Transitados negativos é o principal determinante quer da escolha do modelo de revalorização, quer da decisão de revalorizar. De uma forma geral, conclui-se que as empresas portuguesas sem valores cotados em bolsa utilizam as revalorizações para melhorar a imagem dos seus ativos e capitais próprios, utilizando os Excedentes de Revalorização para compensar o efeito negativo dos prejuízos acumulados.

A lista de premiados pode ser consultada em www.apotec.pt.

imprimir
tags
outras notícias