conteúdos
links
tags
Cultura
Concerto constitui oportunidade rara para ouvir flauta de bisel e harpa atuando juntos
Festivais de Outono abrem com Orquestra das Beiras, harpa e flauta
Joana Ribeiro, em harpa, e Jorge Ferreira, em flauta de bisel, atuam no concerto de abertura dos FO2018
Dirigido por Vasco de Negreiros, compositor e professor da Universidade de Aveiro (UA), o concerto de abertura dos Festivais de Outono será uma oportunidade rara para ouvir harpa e flauta de bisel atuando juntos. O concerto decorre a 19 de outubro, no auditório Renato Araújo, no edifício da Reitoria da UA, a partir das 21h30. O segundo concerto deste programa promovido pela UA será interpretado pelo Duo Contracello, dia 22 de outubro, às 18h00, no auditório do Departamento de Comunicação e Arte (DeCA) da UA.

O concerto de abertura, interpretado pela Orquestra Filarmonia das Beiras, pela harpista Joana Ribeiro e pelo flautista Jorge Ferreira (em flauta de bisel), constitui uma oportunidade rara, explica o maestro Vasco de Negreiros, para ouvir e ver dois dos instrumentos mais antigos criados pela humanidade atuando juntos. Mais rara ainda, acrescenta, porque estes instrumentos vão interpretar repertório dos séculos XIX, XX e XXI.

O programa do concerto inclui obras de Debussy, Grieg, Mozart, Bártok e três obras do próprio Vasco de Negreiros: “Humores” para Harpa e Orquestra de Cordas, “Suite-Concerto” para Flauta de Bisel e Orquestra de Corda” e “Ein Bayer in Rio” para Flauta de Bisel, Harpa e Orquestra de Cordas. 

O maestro

Como maestro, Vasco de Negreiros dirige regularmente o Vocal Ensemble, colaborando como convidado com diversas orquestras, no país e no estrangeiro, principalmente em programas de Música Antiga ou nas interpretações das suas próprias composições. Desde 1998 é professor no Curso Internacional de Música Antiqua de Daroca (Espanha), oferecendo pontualmente ainda diversos outros Master Classes e palestras. Publicou um CD triplo com a íntegra do “Livro de vários motetes” de Frei Manuel Cardoso, pela editora Althum, assim como o resultado da sua investigação sobre Jerónimo Francisco de Lima: “Rabbia, Furor, Dispetto”, pelo selo discográfico Paraty, de Paris, muito elogiado pela crítica internacional.

Nos últimos anos, Vasco de Negreiros, para além da atividade artística como maestro, tem vindo a dedicar-se também à composição, prioritariamente para crianças. Para além do repertório infantil, tem escrito principalmente para agrupamentos de câmara, estando as suas obras com harpa publicadas pela editora parisiense Harposphère, enquanto a sua restante produção é representada fundamentalmente pela AvA Musical-editions. Atualmente debruça-se, entre outros assuntos, sobre o estudo da música do subcontinente indiano. 

Joana Ribeiro - harpa

Joana Ribeiro colaborou com diversas orquestras, como a Clássica de Espinho, Orquestra de Cordas e de Sopros da UA, Filarmonia das Beiras, entre outras. Participou em alguns festivais e concursos nacionais e internacionais, entre os quais se referem o Concurso “Arpa Plus” 2012, onde obteve Menção honrosa, e CIB Filarmonia d`Ouro III (2016), organizado pela Academia Portuguesa de Banda, classificando-se em primeiro lugar com a Banda Nova de Fermentelos. Em 2017, através da Orquestra Filarmonia das Beiras, participou em dois concertos com a fadista Gisela João, onde interpretou o álbum Nua, sendo as músicas transcritas para orquestra sinfónica. Atualmente, frequenta o Mestrado em Ensino da Música, na Escola Superior de Música de Lisboa, orientada pela professora Carolina Coimbra.

Jorge Ferreira – flauta de bisel

Desde 2007, Jorge Ferreira é professor de Flauta de Bisel e Música de Câmara no Conservatório de Música de Aveiro Calouste Gulbenkian. Fundou em 2011 o Consort de Flautas do CMACG, que tem vindo a orientar desde então. Atua regularmente em concertos e recitais de Música de Câmara. Colaborou com o Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, com o Ensemble Pavanilha, com o Ensemble vocal Clepsidra, e com a compositora Teresa Gentil, integrando concertos de música contemporânea para crianças, que decorreram no Teatro Micaelense e no Teatro da Ribeira Grande, nos Açores, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e na Casa da Música, no Porto. Faz parte dos agrupamentos Capella Joanina & Flores de Mvsica, com os quais se apresenta regularmente, sob a direção de João Paulo Janeiro.

Duo Contracello – ver sons e ouvir imagens no dia 22 de outubro

O segundo concerto deste programa, a 22 de outubro, às 18h30, no auditório do DeCA, na UA, será interpretado pelo Duo Contracello, constituído por Miguel Rocha, em violoncelo, Adriano Aguiar, em contrabaixo e Jaime Reis, compositor e técnico de audiovisual.

O Duo Contracello formado por Miguel Rocha, no violoncelo, e Adriano Aguiar, no contrabaixo, iniciou a sua atividade em 1993. Para além das suas apresentações em Portugal (tais como Festivais de Música de Espinho, de Leiria, Porto 2001-Capital Europeia da Cultura e Centro Cultural de Belém, Festival CriaSons 2011), atuou em Espanha, França, Suíça, Estados Unidos da América, República Checa e Holanda. O seu repertório, que se estende de Couperin a Berio, é constantemente enriquecido com obras originais especialmente dedicadas.

A primeira realização discográfica do Duo Contracello (CD NUMERICA 1055) foi publicada em fins de 1996, contou com o apoio do Ministério da Cultura e inclui obras de Boismortier, Pleyel, Rossini, Genzmer e A. Delgado. Nos últimos anos, o Duo Contracello tem desenvolvido um projeto intitulado “Ver os sons, ouvir imagens”, que tem vindo a ser concretizado em vários espetáculos, com destaque para o Festival COMA’15, em Madrid e para o BASS 16, em Praga, e que obteve recentemente o apoio do Estado de Portugal, através de financiamento da Direção Geral das Artes e da Fundação GDA. Este apoio, gerido pela Musicamera Produções, já permitiu realizar alguns concertos em Portugal, Holanda e Espanha, com continuidade em 2019, tendo como objetivo final a sua fixação das composições em formato áudio e de todo o espetáculo em DVD.

Obras de Clotilde Rosa, Ângela Lopes, Isabel Soveral, Jaime Reis e João Pedro Oliveira constituem o programa do concerto deste duo nos FO 2018.

Concerto de Abertura dos FO2018 

– 19 de outubro, 21h30, auditório Renato Araújo, Reitoria da Universidade de Aveiro

com Orquestra Filarmonia das Beiras; direção de Vasco de Negreiros; Joana Ribeiro, harpa; Jorge Ferreira, flauta de bisel

Vasco Negreiros, maestro convidado

Claude Debussy (1862-1918) - Danses Sacreé et Profane para Harpa e Orquestra de Cordas 

Vasco Negreiros (1965) - Humores para Harpa e Orquestra de Cordas 

Edvard Grieg (1843-1907) - Suite Holberg 

Vasco Negreiros (1965) - Suite-Concerto para Flauta de Bisel e Orquestra de Cordas 

W. A. Mozart (1756-1791) Divertimento KV. 138 

Béla Bartók (1881-1945) - Divertimento 

Vasco Negreiros (1965) - Ein Bayer in Rio para Flauta de Bisel, Harpa e Orquestra de Cordas  Orquestra Filarmonia das Beiras

 

Concerto do Duo Contracello

- 22 de outubro, 18h30, auditório do Departamento de Comunicação e Arte, Universidade de Aveiro

com Miguel Rocha, violoncelo; Adriano Aguiar, contrabaixo; Jaime Reis, compositor e técnico de audiovisual

Clotilde Rosa [1930-2017] - Peacefull Meeting (2016) 

Ângela Lopes [1972] - E(H)LLE(M) – "Sete momentos em forma de trança" (2017) 

Isabel Soveral [1961] - Anamorphoses VIII (2014)

Jaime Reis [1983] Fluxus, Drag (2015) 

João Pedro Oliveira [1959] Dark Energy (2018)

 

Mais informações sobre o programa dos Festivais de Outono 2018:

http://www.ua.pt/festivaisdeoutono/2018/

imprimir
tags
evento relacionado
 
outras notícias