conteúdos
links
tags
Campus
No programa "90 segundos de ciência"
Trabalho desenvolvido pela UA na área da conservação de vertebrados marinhos em destaque na Antena 1
Catarina Eira, bióloga e investigadora do Departamento de Biologia da UA e do CESAM
Catarina Eira é uma das próximas investigadoras a ser entrevistada no programa "90 segundos de ciência”. A bióloga e investigadora do Departamento de Biologia da UA e do CESAM explica esta terça-feira, 12 de setembro, pouco antes das 19h00, aos microfones da Antena 1, todo o trabalho que a sua equipa tem desenvolvido na área da conservação de cetáceos, aves marinhas e tartarugas marinhas. O programa repete no dia seguinte, pouco antes do noticiário das onze da manhã.

A equipa da UA envolvida na conservação de vertebrados marinhos, mais precisamente cetáceos, aves marinhas e tartarugas marinhas, tem vindo a desenvolver trabalho no âmbito do projeto LIFE MarPro, tendo já avaliado a abundância e distribuição de cetáceos e aves marinhas com o objetivo de contribuir para a definição de Áreas Marinhas Protegidas corroboradas por dados científicos robustos. Estas áreas marinhas propostas no âmbito da Rede NATURA 2000 dedicam-se especialmente à proteção do Roaz e do Boto, no caso dos cetáceos, e à Pardela-balear no caso das aves marinhas, espécies para as quais Portugal como estado membro assumiu o compromisso de designar áreas de proteção perante a UE. Ao mesmo tempo, foram avaliadas algumas das ameaças a estas espécies marinhas.

Também no âmbito do projecto LIFE MarPro, os investigadores da UA trabalharam, juntamente com a Sociedade Portuguesa de Vida Selvagem (SPVS) e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I. P (ICNF), ao nível das redes de arrojamentos de animais marinhos. Os cetáceos, tartarugas e aves marinhas arrojados já mortos são analisados para se poder determinar a causa de morte e estudar algumas das suas patologias e níveis de contaminação. Por exemplo, foi já possível verificar que das quatro espécies de golfinhos analisadas, o Roaz, é a espécie que apresenta concentrações de mercúrio mais elevadas. Por outro lado, a Tartaruga-comum apresenta níveis relativamente elevados de cádmio. Indiretamente, estes trabalhos dão indicações sobre o meio marinho utilizado pelas espécies estudadas.

A partir da análise dos animais arrojados foi possível determinar, ainda, que uma percentagem das causas de morte está relacionada com captura acidental por artes de pesca. Em consequência deste estudo e como forma de mitigar os efeitos da pesca nestas populações de vertebrados marinhos, foram oferecidos pingers (sistemas de alerta acústico) a várias embarcações, os quais permitem que algumas espécies de golfinhos detetem e evitem as redes de pesca.

Os animais marinhos arrojados vivos são trazidos para o centro de reabilitação do Ecomare. A reabilitação tenta mitigar o efeito de algumas ameaças, por exemplo, ao nível do lixo marinho, no caso de tartarugas e aves marinhas com lixo marinho ingerido ou emaranhado e ao nível das pescas, uma vez que uma grande parte dos animais admitidos apresentam sinais de interações com as pescas e pesca desportiva. Estes animais são devidamente tratados no Ecomare e devolvidos ao meio marinho assim que possível.

A equipa da UA pretende continuar a monitorizar o estado das populações de vertebrados marinhos na costa continental portuguesa, integrando dados ao nível de toxicologia e microbiologia com os vários parâmetros populacionais, contribuindo, desta forma, para uma avaliação correta dos efeitos das ameaças no meio marinho (as já bem conhecidas e as emergentes), propondo medidas adequadas de mitigação.

O programa “90 segundos de ciência” é coordenado por António Granado e Paulo Nuno Vicente, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH NOVA), e Joana Lobo Antunes, do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier (ITQB NOVA), e conduzido por Adriano Cerqueira, do ITQB NOVA.

Duas vezes por dia, antes das onze da manhã e antes das sete da tarde, de segunda a sexta, o programa dá voz aos investigadores portugueses nas áreas mais diversas, dando a conhecer a ciência que se faz em Portugal e incrementando a literacia científica da população portuguesa.

Após a emissão, os programas são disponibilizados em http://www.90segundosdeciencia.pt, com mais material multimédia sobre cada um dos projetos e investigadores convidados.

imprimir
tags
veja também
 
outras notícias