conteúdos
links
tags
Investigação
Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da Universidade de Aveiro desenvolve projeto inédito no país
UA constrói ‘fórmula 1’ da monitorização topográfica
O investigador Paulo Baganha Baptista e o ¿fórmula 1¿ da monitorização topográfica
Esqueça-se a imagem dos levantamentos topográficos realizados a pé, metro a metro, hora a hora, a passo de caracol e com elevados custos. Uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) acaba de desenvolver um sistema de caracterização topográfica muito mais rápido, barato e eficaz quando comparado com o tradicional método. A acrescentar a todas estas vantagens, o «sistema integrado de alta resolução para monotorização topográfica» – assim se chama o projeto - mantém a elevada precisão do rigoroso método realizado a pé. Instalado num todo o terreno, que pode ser uma vulgar moto 4, o aparelho da UA consegue caracterizar uma média de 30 a 40 hectares por hora.

O ‘fórmula 1’ da monitorização topográfica integra recetores GPS e um distanciómetro laser. Este último equipamento permite calcular a distância entre as posições obtidas pelos recetores GPS e a superfície do terreno.

O sistema, preparado essencialmente a pensar em grandes extensões de terreno, permite ainda que todos os dados sejam recebidos numa unidade de sincronização da informação a partir da qual os dados são processados, podendo este sistema funcionar em qualquer parte do globo por quem tem de decidir. A equipa de investigadores da UA quer que, por exemplo, gestores das orlas costeiras ou responsáveis por obras que exijam grandes e precisos estudos de terreno tenham ao dispor informações precisas sobre o terreno onde querem agir.

Ideal para a orla costeira

E foi precisamente a pensar na monotorização da orla costeira que a equipa de investigadores do Instituto de Telecomunicações e do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da UA desenhou e concebeu o inovador sistema. Paulo Baganha Baptista, coordenador do projeto e especialista em Ecossistemas Marinhos e Modelação, garante que a «este tipo de sistema de levantamento topográfico permite, a partir dos modelos digitais de terrenos, extrair inúmeros dados que podem ser usados de forma imediata pelos gestores de litoral».

Face ao grave cenário de erosão costeira que assola diversas zonas do litoral português, Paulo Baganha Baptista aponta que «conhecer exatamente as variações morfológicas dos terrenos costeiros ao longo do tempo é fundamental para que se tomem decisões acertadas» na defesa, principalmente, das zonas que têm frentes urbanas expostas ao avanço do mar.

O mercado africano, nomeadamente o dos países de língua oficial portuguesa onde grandes obras avançam todos os dias, é outro dos horizontes que a equipa quer monitorizar.



*Este texto foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico

imprimir
tags
outras notícias