conteúdos
links
tags
Investigação
Investigadores da UA provam importância dos odores em contextos forenses
Reconhecimento de odores de criminosos pode ajudar em investigações policiais
Em segundo plano, as investigadoras Sandra Soares e Laura Alho
E se as vítimas de crimes pudessem reconhecer os agressores pelo odor e assim ajudarem os investigadores a desvendarem o crime e os tribunais a fazerem justiça? Isso seria alcançar fronteiras nunca atravessadas até agora pela história dos processos criminais. Nesse sentido, um grupo de investigadores do laboratório de Psicologia Experimental e Aplicada da Universidade de Aveiro (UA), acaba de provar, através de um estudo mundialmente inédito, que em situações de crime, o grau de reconhecimento olfativo da vítima em relação aos odores quer do agressor, quer do ambiente onde a agressão foi perpetrada, é substancialmente maior do que o reconhecimento de odores captados em situações emocionalmente neutras.

«As conclusões a que chegámos são o início de um trabalho que pode ser explorado em contexto forense na medida em que podemos pensar nos odores como um complemento à investigação criminal», afirma Sandra Soares, psicóloga clínica, docente na UA e responsável pelo estudo que pretende que o reconhecimento olfativo possa fornecer evidências complementares para a identificação de criminosos e, consequentemente, diminuir a probabilidade de erro da justiça.

A investigação, que contou com a colaboração de Mats Olsson, investigador do Instituto Karolinska (Suécia) e financiamento do Swedish Research Council, envolveu a participação de 30 voluntários aos quais foram apresentados filmes reais de cenas de crime (homicídios, violações, raptos, violência doméstica e ofensa à integridade física) captados por viaturas policiais e por câmaras de segurança.

Durante o visionamento dos filmes os participantes foram expostos continuamente a um odor corporal, previamente recolhido pelos investigadores, com a informação de que este pertencia ao agressor envolvido na cena do crime. Posteriormente, cerca de 15 minutos depois, foi-lhes dado a cheirar cinco odores distintos, entre os quais o odor sentido durante a visualização do filme. O mesmo procedimento foi realizado com um grupo de outros 30 voluntários com a diferença de que estes, pelo contrário, viram filmes com cenas emocionalmente neutras.

Quando foi pedido aos participantes que, dos cinco odores apresentados, escolhessem aquele a que estiveram sujeitos durante o visionamento dos filmes, 63 por cento dos participantes sujeitos a imagens de crime acertaram no cheiro em causa. Dos participantes sujeitos a imagens neutras, apenas 43 por cento apontaram corretamente o odor em causa. «A taxa de reconhecimento por parte dos voluntários sujeitos ao visionamento de cenas violentas foi significativamente superior ao reconhecimento feito pelos que viram filmes emocionalmente neutros», sublinha a investigadora Sandra Soares.

A importância do olfato

«O reconhecimento de criminosos assenta até agora nos sentidos da visão e da audição. Esperemos que as conclusões deste estudo possam alterar esse pressuposto, e que os odores passem a ser elemento de prova, pois as vítimas têm também a possibilidade de indicar odores presentes no cenário do crime», salienta a docente.

«Temos de fazer uma viragem, temos de tornar a investigação criminal ecologicamente mais válida», diz a investigadora que deixa a pergunta: «Se nós somos bombardeados com tantos estímulos auditivos, visuais e olfativos, então porquê investigá-los isoladamente e porque não comparar entre si os processos mnésicos relativamente aos diferentes órgãos sensoriais».

Os resultados desta série de estudos em curso poderão contribuir também para melhorar a intervenção clínica, por exemplo, em vítimas de abuso sexual ou indivíduos com perturbação de stress pós-traumático. Os odores, nestes casos, podem servir de ativadores de memórias traumáticas de forma a que o clínico possa trabalhar aspetos de regulação emocional, quer em termos cognitivos, quer em termos emocionais sobre a situação em causa.



*Este texto foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico 

imprimir
tags
outras notícias