conteúdos
links
tags
Investigação
Trabalho centra-se na salinização dos ecossistemas dulçaquícolas
Investigadoras do CESAM publicam na Philosophical Transactions B
Subida do nível médio das águas do mar será o grande impulsionador do aumento da salinidade em ecossistemas costeiros
Isabel Lopes e Cátia Venâncio, investigadoras do Laboratório Associado CESAM e do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro são autoras de um dos 23 artigos publicados no volume da Philosophical Transactions B dedicado ao tema “Salt in freshwaters: causes, ecological consequences and future prospects”.

A salinização dos ecossistemas dulçaquícolas é uma ameaça crescente e global. Dentro do cenário das alterações climáticas, a subida do nível médio das águas do mar será o grande impulsionador do aumento da salinidade em ecossistemas costeiros de baixa altitude.

O aumento da salinidade pode causar uma redução severa na biodiversidade aquática, levando à ruptura dos processos do ecossistema e comprometendo os bens e serviços que os ecossistemas dulçaquícolas fornecem. Neste contexto, o trabalho, intitulado “Sensitivity of freshwater species under single and multigenerational exposure to seawater intrusion”, avaliou os efeitos do aumento da salinidade em várias espécies dulçaquícolas representativas de diferentes níveis tróficos (algas, plantas aquáticas, crustáceos, insectos, caracóis).

Os resultados obtidos revelaram que níveis de salinidade que podem ser facilmente atingidos no futuro podem influenciar a resiliência de várias espécies nestes ecossistemas costeiros, nomeadamente de microcrustáceos dulçaquícolas. Estes microcrustáceos são importantes fontes de alimento para pequenos peixes e impedem a proliferação de microalgas. Isto poderá significar que mesmo pequenos aumentos da salinidade poderão, através de efeitos indiretos, influenciar a resiliência de espécies mais tolerantes.

Esta situação é ainda mais preocupante se se tomar em atenção que amaioria das espécies estudadas continuaram a mostrar pouca tolerância ao aumento da salinidade mesmo quando expostas durante várias gerações. Esta conclusão do presente estudo reforça a questão da vulnerabilidade do biota aquático ao aumento da salinidade.

Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do projecto SALTFREEPrediction of salinization effects on coastal freshwater and soil ecosystems due to climate changes, financiado pela FCT. O trabalho teve como co-autores Bruno Branco Castro (Departamento de Biologia, Universidade do Minho), Rui Ribeiro (Departamento de Ciências da Vida, Universidade de Coimbra), Sara Antunes (Departamento de Biologia, Universidade do Porto), Nelson Abrantes (Departamento de Ambiente e Ordenamento, Universidade de Aveiro), Amadeu M.V.M. Soares (Departamento de Biologia, Universidade de Aveiro).

O artigo pode ser visto em https://rsj-prod.literatumonline.com/doi/10.1098/rstb.2018.0252

imprimir
tags
outras notícias