conteúdos
links
tags
Opinião
Opinião de Alexandra Monteiro, investigadora do Departamento de Ambiente e Ordenamento e do CESAM
OMS: um top onde não é bom estar!
Alexandra Monteiro
Na lista da Organização Mundial de Saúde sobre os locais mais poluídos do mundo, há 15 situados em Portugal. Entre eles, Ílhavo e Estarreja. E Aveiro? Em artigo de opinião, Alexandra Monteiro, investigadora do Departamento de Ambiente e Ordenamento da Universidade de Aveiro, garante que a ideia de que na capital do distrito se respira ar de qualidade poderá não corresponder à verdade.

Recentemente a Organização Mundial de Saúde (OMS) revelou a lista de locais mais poluídos do mundo, e identificou quinze locais em Portugal que ultrapassam o nível máximo de partículas finas inaláveis (PM2,5), que esta Organização determina não dever ser superior a 10 microgramas/m3, por provocarem efeitos na saúde humana, ao nível cardiovascular e respiratório. Destes 15 locais fazem parte Ílhavo e Estarreja, ambos aqui bem perto de nós.

Mas perguntam vocês: e Aveiro? Terá Aveiro melhor qualidade do ar do que Ílhavo e Estarreja? Poderemos nós respirar ar de maior qualidade em Aveiro?

Os valores apresentados resultam da monitorização de poluentes atmosféricos que é feita em locais específicos espalhados por Portugal (mas não com uma distribuição homogénea!) e que possuem características diferentes consoante a influência (fundo, tráfego ou industrial) e o tipo de ambiente (urbano, suburbano ou rural) que representam. A estação localizada em Ílhavo caracteriza um ambiente suburbano de fundo, a de Estarreja é representativa da área industrial que a rodeia, enquanto que a única estação que existe na cidade de Aveiro tem características urbanas de tráfego, sendo representativa apenas da via de tráfego (Avenida 25 de Abril) onde está localizada. Por outro lado, esta estação não mede PM2,5, daí ser impossível aparecer a cidade de Aveiro (entre outras) na listagem divulgada pela OMS.

Estes rankings deveriam vir sempre anexados de um Manual de Instruções, de modo a evitar conclusões ou ilações precipitadas. Se juntarmos a isto o facto dos valores limite indicados pela OMS serem mais baixos do que os da legislação nacional e europeia, que é de 25 microgramas/m3, o qual é cumprido para todos os locais em Portugal (ou ainda que são 10 vezes menores quando comparados com valores registados na Índia ou na China) pode ficar-se com a ideia que afinal está tudo bem e que respiramos ar de qualidade.

Só que isso também não é verdade…pois, de facto, espera-se que num futuro próximo os valores limite legislados na Europa se aproximem dos valores guia recomendados pela OMS. Para além disso, se esta listagem focasse as PM10 (fração maior das partículas inaláveis, que inclui as PM2,5), a lista de cidades Portuguesas seria ainda maior e se em vez dos valores médios anuais (longo termo) analisássemos as médias diárias (exposição aguda, de curto termo) iríamos encontrar excedências inclusive ao valor legislado! E Ílhavo e Aveiro estariam ambas nesta lista...

imprimir
tags
outras notícias