conteúdos
links
tags
Entrevistas
Professor UA – Armando Luís Vieira, Departamento de Economia, Gestão, Engenharia Industrial e Turismo
A excelência do ensino em Turismo
Armando Luís Vieira
Já fez um pouco de tudo na vida. Trabalhou num escritório e num banco e foi vendedor porta a porta. Foi trabalhador estudante. Investigador e professor na área do Turismo na Universidade de Aveiro (UA), Armando Luís Vieira garante que a intensa experiência de vida é uma ferramenta valiosa para abrir horizontes aos estudantes. Gosta de andar de bicicleta e tem uma coleção de carros descapotáveis… em miniatura. Em tamanho real é o desejo de ir aos polos da Terra.

Mestre em Ciências Empresariais com especialização em Marketing, pela Universidade do Porto, doutorado em Business and Management, pela Universidade de Nottingham (Reino Unido) e com Pós-Doutoramento em Turismo, pela UA, Armando Luís Vieira é docente no Departamento de Economia, Gestão, Engenharia Industrial e Turismo (DEGEIT) há 18 anos.

Com grande atividade no setor empresarial, Armando Luís Vieira é autor de diversos livros e artigos científicos, nomeadamente nas áreas do Turismo, Hotelaria, Marketing e Psicologia. Atualmente é diretor do Curso de Formação Avançada em Turismo, vice-diretor do Programa Doutoral em Turismo e coordenador da mobilidade internacional do curso de Turismo.

Como define um bom professor?

Um bom professor é aquele que que tem conhecimentos técnicos sólidos, que tem boas capacidades de relacionamento interpessoal, que consegue colocar-se na pele do(a)s aluno(a)s, perceber o que cada uma dessas pessoas precisa para enfrentar o que a vida lhes reserva e dar seu melhor para contribuir para a sua formação e preparação.

E o seu segredo enquanto professor?

Julgo que o meu maior ‘segredo’ é usar o meu próprio percurso pessoal, académico e profissional como ferramenta para contribuir para formar e preparar as pessoas. O facto de já ter trabalhado atrás de um balcão, ou num escritório, num banco, ou como vendedor porta-a-porta, bem como a minha experiência como trabalhador-estudante, facilita-me muito a tarefa como professor.

O que mais o fascina no ensino?

É a possibilidade de conhecermos e nos relacionarmos com pessoas de todas as idades, com os mais diversos e interessantes percursos pessoais, académicos e profissionais, de nos sentirmos úteis e ativos, bem como de termos a oportunidade de continuarmos sempre a aprender e a evoluir.

Como qualifica a formação que é dada aos estudantes no DEGEIT na área do Turismo?

De excelente nível, com reconhecimento e satisfação por parte de atuais e antigos alunos, bem como de empregadores e restantes ‘stakeholders’.

Que grande conselho daria aos seus alunos?

Que lessem o livro Alice no País das Maravilhas e que se detivessem e refletissem naquela parte em que o Lewis Carroll escreve: “Começa pelo princípio e continua sempre até chegares ao fim; aí termina”.

Houve alguma turma que mais o tivesse marcado? Porquê?

Cada turma é especial à sua maneira e guardo boas memórias de todas. O mais curioso é que, no meu caso, ao longo tempo percebi que uma coisa que também me marca e aprecio muito que é, ano após ano, aquela adrenalina de conhecer novas pessoas e o empenho de estabelecer um bom relacionamento com elas e fazer um bom trabalho, com benefícios para todas as partes.

Pode contar-nos um episódio curioso que se tenha passado em contexto de sala de aula ou com estudantes?

Sim, tenho vários, mas há um que nunca mais esquecerei. Uma vez fui almoçar com colegas a um centro comercial em Aveiro. Andávamos de tabuleiro na mão à procura de lugar, mas a tarefa não se afigurava fácil. Nisto, levantaram-se três jovens simpáticos e um deles perguntou-me:

“Professor, não consegue encontrar lugar? Quantas pessoas são?”

“Pois… não está fácil, somos seis…”, respondi, reconhecendo aqueles meus antigos alunos.

Em poucos segundos os três jovens arranjaram seis lugares para nós, pedindo com educação, respeito e simpatia a várias pessoas que se “arrumassem” melhor ou que partilhassem mesas.

descrição para leitores de ecrã
“Começa pelo princípio e continua sempre até chegares ao fim; aí termina”. A frase é de Lewis Carroll. O conselho para os estudantes é de Armando Luís Vieira.

Traço principal do seu carácter

Esforço-me todos os dias por ser profissional, responsável e cordial.

Ocupação preferida nos tempos livres

Caminhar, andar de bicicleta e tratar da minha coleção de miniaturas de automóveis descapotáveis.

O que não dispensa no dia-a-dia

Acompanhar um filho que tem agora 5 anos.

O desejo que ainda está por realizar

Falta-me ir ao Polo Norte e ao Polo Sul…

imprimir
tags
outras notícias