conteúdos
links
tags
Ensino e Formação
Inicio 22 de fevereiro de 2018
Introdução à Cooperação Internacional para o Desenvolvimento
Em eLearning e com inicio agendado para 22 de fevereiro, este curso "Introdução à Cooperação Internacional para o Desenvolvimento" é realizado pelo Instituto Camões (Instituto da Cooperação e da Língua Portuguesa), em colaboração com a UNAVE. A acreditação do curso com 6 ECTS e a certificação final dos formandos são da responsabilidade da UNAVE/UINFOC – Unidade Integrada de Formação Continuada da Universidade de Aveiro. Inscrições abertas.

Introdução à Cooperação Internacional para o Desenvolvimento

Unidades de Crédito: 6.0 (ECTS)

Este curso é realizado pelo Instituto Camões (Instituto da Cooperação e da Língua Portuguesa), em colaboração com a UNAVE.

A acreditação do curso com 6 ECTS e a certificação final dos formandos são da responsabilidade da UNAVE/UINFOC – Unidade Integrada de Formação Continuada da Universidade de Aveiro.

Ver página de curso aqui 

fundamentação

Na base desta ação formativa está a necessidade que se considera existir de um maior nível de conhecimento sobre a temática das relações de cooperação de Portugal com países terceiros, nomeadamente na bilateral sobretudo com os PALOP e Timor-Leste, e na multilateral com a União Europeia e as Instituições Financeiras Internacionais, entre as pessoas que por diversos motivos, uns mais altruístas outros mais materiais, se envolvem em atividades de ajuda a outros povos, seja em que país for. Tal conhecimento não pode crescer sem estar perspetivado no contexto da evolução do pensamento sobre o desenvolvimento e da história da cooperação internacional, sob pena de não se entender como evoluem as relações entre os parceiros ao longo do tempo e quais as perspetivas futuras.

Esta formação pretende ser uma introdução, centrada na cooperação portuguesa, com algum aprofundamento temático, mas não pretende substituir formações em áreas mais especializadas como são exemplo a gestão de programas e projetos, a cooperação em áreas setoriais da saúde, educação, ambiente, governação ou outras.

Mas sobretudo temos bem presente que esta e outras formações nunca são substitutos da prática de ações de cooperação feitas em países parceiros com empenho, reflexão e consciência das razões, valores e processos de cada um individualmente.

objetivos

O objetivo geral do curso é dotar os formandos de competências básicas que envolvem os mecanismos da cooperação para o desenvolvimento, incluindo a conceção de projetos e a estratégia da cooperação portuguesa para o desenvolvimento, procurando-se articular a componente prática com a teoria e com os desafios atuais.

No final do curso os formandos terão adquirido compreensão e construído conhecimento acerca: das ferramentas básicas da cooperação para o desenvolvimento; das competências básicas para implementar um projeto de cooperação para o desenvolvimento; das principais estratégias e abordagens da cooperação portuguesa para o desenvolvimento.

Nesta ação espera-se, ainda, que os formandos desenvolvam capacidade de pesquisa e tratamento de informação quantitativa existente nas bases de dados internacionais e nacionais relevantes.

destinatários

Os destinatários são as pessoas, de qualquer área de conhecimento e de qualquer país, que queiram envolver-se na Cooperação Internacional e adquirir um conhecimento mais completo sobre a mesma a partir daquilo que faz a cooperação portuguesa. Não é indispensável a licenciatura, mas toma-se como certo que os formandos são capazes de estudar em português e inglês, sendo que textos de apoio menos importantes também poderão ser em castelhano ou francês.

equipa de docentes e tutores

Carlos Sangreman, nascido em 1949, Lisboa, licenciado em Economia no ISEG da Universidade de Lisboa e doutorado em Estudos Africanos em Ciências Sociais, no ISCTE, técnico superior no INE, consultor internacional desde 1985 com missões em todos os PALOP e Timor Leste para Organizações Internacionais como o Banco Mundial, PNUD, OIM e União Europeia e países como Portugal, Suécia, Cabo Verde e Guiné Bissau. Entre 1998 e 2003 foi assessor junto do Ministro da Solidariedade e Segurança Social para a organização do Departamento de Cooperação para o Desenvolvimento e entre 2008 e 2012 assessor junto do Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, para dinamizar o Fórum da Sociedade Civil para a Cooperação para o Desenvolvimento. Investigador responsável de projetos com financiamento público e privado, nacional e internacional, autor de livros, capítulos de livros e artigos em revistas, adquiriu ao longo dos anos um profundo conhecimento da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento portuguesa. Investigador no Centro de Estudos sobre África, Ásia e América Latina (CESA) na Universidade de Lisboa. Atualmente é Professor Auxiliar na Universidade de Aveiro, aposentado, onde lecionou, entre outras, a disciplina de Desenvolvimento e Cooperação Internacional e continua a orientar teses de mestrado e doutoramento sobre temas da Cooperação Internacional.

Ana Larcher Carvalho, Professora Auxiliar Convidada no Departamento de Ciência Política e Políticas Públicas do ISCTE-IUL, leccionando, desde 2008, no Mestrado em Estudos Africanos (http://www.iscte-iul.pt/cursos/mestrados/9503/apresentacao.aspx) do ISCTE-IUL, as cadeiras de Avaliação de Projectos, Gestão de Organizações sem fins lucrativos e da economia social, Economia Africana e Cooperação Internacional. É investigadora no CEI-IUL, região Africa, centrando-se os seus interesses nas dinâmicas das sociedades agrárias africanas e nos impactos da cooperação para o desenvolvimento. Tem publicações e comunicações nestas áreas de investigação. É consultora internacional tendo trabalhado para várias agências da ONU, OMC, BAD, CE, CEDEAO, Camões ICL, entre outras. Tem trabalhado ainda com organizações da sociedade civil como a Plataforma Portuguesa das ONGD, Fundação Gulbenkian, FEC, CAIS e Associação Positivo. Tem experiência em vários países africanos incluindo Guiné-Bissau, República da Guiné, Mali, Burkina, Costa da Marfim, Moçambique, Tanzânia, Quénia, entre outros. Anima vários blogs, um deles sobre a Guiné-Bissau (https://guinebissaudocs.wordpress.com). Fez o doutoramento no Imperial College London e um pós-doutoramento no ISCTE-IUL..

Fátima Delgado Proença, diretora da Organização Não Governamental Associação para a Cooperação entre Povos (ACEP), com frequência do curso de economia do ISEG (1971/74) tem uma enorme experiência como profissional da Cooperação para o Desenvolvimento desde 1983 em todos os PALOP, Timor e Brasil em trabalho de reforço das organizações não governamentais daqueles países. Foi presidente da Plataforma das ONGD portuguesas e tem sido coordenadora e/ou autora de projetos de cooperação para o desenvolvimento e de educação para o desenvolvimento. Tem participado em livros, feito comunicações e artigos de revistas regularmente sendo os últimos Cooperação descentralizada e as dinâmicas de mudança em países africanos – os casos de Cabo Verde e Guiné-Bissau, co-autoria, 2009, Entre o entretenimento e a assistência, apresentação ao Observatório de Africa e América Latina, Programa Futuro Próximo, Fundação Gulbenkian, 2011, Eficácia das ONGD em todos os campos e latitudes, ed. Plataforma portuguesa das ONGD, 2013, Guiné-Bissau: 40 anos de impunidade, co-autoria, ed. LGDH, 2014, Desafios – Uma história de Direitos, co-autoria e coordenação, ACEP, 2014.Distinguida com a Comenda da Ordem de Mérito por S. Exa. o Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, em 1998, pela atividade de Cooperação para o Desenvolvimento com os PALOP.

Raquel Faria, licenciada em Administração Pública (menor em Ciência Política), mestre em Ciência Política pela Universidade de Aveiro e doutorada em Altos Estudos em História – Época Contemporânea, com tese na área da Cooperação Portuguesa, pela Universidade de Coimbra. Investigadora do Centro de Estudos sobre África, Ásia e América Latina (CEsA), designadamente nos seguintes projetos: Aquele outro mundo que é o mundo: o mundo dos Media e o mundo do Desenvolvimento (desde 2014), Memórias de África e do Oriente (desde 2009), o Cluster como instrumento teórico e prático da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Portuguesa: o caso de Moçambique, Timor-Leste, São Tomé e Príncipe e Angola (2012-2014), Alfabeto do Desenvolvimento” (2011 –2012) e o Fórum da Cooperação para o Desenvolvimento (2008-2011).

Sara Margarida Alpendre Diogo, docente no Departamento de Ciências Sociais, Políticas e do Território da Universidade de Aveiro, onde leciona, entre outras, a disciplina de Desenvolvimento e Cooperação Internacional. É licenciada em Línguas e Relações Empresarias pela mesma Universidade, Mestre em Estudos de Ensino Superior – Erasmus Mundus – pelo Consórcio das Universidades de Oslo (Noruega), Tampere (Finlândia) e Aveiro, e Doutorada (regime de co-tutela) em Políticas de Ensino Superior pela Universidade de Jyväskylä (Finlândia) e a Universidade de Aveiro. É também investigadora junior no CIPES – Centro de Investigação de Políticas de Ensino Superior e os seus interesses de investigação focam-se nas políticas públicas e governação e desenvolvimento, internacionalização do Ensino Superior, gestão e mudanças políticas do Ensino Superior, e Desenvolvimento da Sociedade do Conhecimento. As suas publicações incluem capítulos de livros e artigos científicos nas seguintes revistas Higher Education Management and Policy Journal, Journal of the European Higher Education Area, European Journal of Higher Education e Working Papers in Higher Education Studies.

inst-camoes

Ver curso > http://www.unave.pt/?formacao=introducao-a-cooperacao-internacional-para-o-desenvolvimento

Para mais informações contactar:

Helena Soares

helena.soares@ua.pt

tlf.: 234 370 833

fax: 234 370 835

UNAVE - Associação para a Formação Profissional e Investigação da Universidade de Aveiro

Edifício 1

Campus Universitário de Santiago

3810-193 Aveiro

imprimir
tags
outras notícias