conteúdos
links
tags
Campus
Dia 15 de dezembro, nas comemorações do 44.º aniversário
Universidade atribui título Doutor Honoris Causa a Olga Roriz
Honoris Causa a Olga Roriz
Num aniversário em que o valor das emoções, indispensável na vida de cada indivíduo, assume grande destaque, a Universidade de Aveiro distingue uma figura eminente do mundo da dança e da arte, atribuindo o título Doutor Honoris Causa à talentosa bailarina e coreógrafa Olga Roriz.

No ano em que a UA comemora o seu 44.º aniversário, a proposta de atribuição da mais elevada distinção académica a Olga Roriz partiu do próprio Reitor, Manuel António Assunção, e a seu convite foi subscrita, simbolicamente, pelos professores João Rocha e João Torrão, tendo sido aprovada em Conselho Científico por unanimidade.

“Razão, dimensão social, emoção são facetas indispensáveis na vida de cada indivíduo. Por isso, decidimos que o 44.° aniversário enfatizasse essa componente da emoção”, explica o Reitor, acrescentando que “o doutoramento Honoris Causa de Olga Roriz sublinha essa atenção para as emoções e para o sentir que importa não descurar.

Para Manuel António Assunção, a Arte é uma fonte emocional por excelência e não importa que a dança não esteja incluída na oferta curricular, pelo contrário. “Não ensinamos tudo mas precisamos, também, de enaltecer o que está fora do nosso âmbito de intervenção mais estrito. Porque é, igualmente, imprescindível à nossa vida em sociedade e enquanto comunidade académica. Ao atribuir-lhe o grau Honoris Causa não só estaremos a cumprir um ato de enaltecimento ao talento, a todos os títulos justíssimo, como estaremos a associar à UA o prestígio e a reputação que o nome de Olga Roriz, impreterivelmente, acarreta. Algo que fazemos com a emoção, própria e profunda, de um Campus que Sente”.

“Estou profundamente sensibilizada e agradecida”, diz Olga Roriz na sua primeira reação à notícia deste reconhecimento público concedido pela Universidade de Aveiro. “Num momento como este, a vida parece curta demais… e os feitos sem importância para serem enumerados, admite, acrescentando: “Este reconhecimento não o posso aceitar apenas como meu, porque me acompanharam os melhores artistas sejam os que estão sob as luzes quentes dos projetores ou os que na sombra projetam cada detalhe. Estou aqui porque, algures há muito tempo atrás, um pai e uma mãe, loucos de tanto querer, acreditaram naquela criança destinada à dança para sempre. Sinto-me honrada e feliz pelo prestígio que esta distinção traz não só a mim mas também às Artes em geral e à Dança em particular”.

descrição para leitores de ecrã
Foto de Rodrigo de Sousa

A vida e obra de Olga Roriz granjeou um reconhecido mérito internacional, traduzido através de 40 anos de bailado, coreografia, direção artística, formação, com extensão às áreas do teatro, da ópera e do vídeo, de excecional valor.

Natural de Viana do Castelo, Olga Roriz teve como formação artística na área da dança o curso da Escola de Dança do Teatro Nacional de S. Carlos, com Ana Ivanova, e o curso da Escola de Dança do Conservatório Nacional de Lisboa.

De 1976 a 1992 integrou o elenco do Ballet Gulbenkian, sob a direção de Jorge Salavisa, onde foi primeira bailarina e coreógrafa principal.

Em Maio de 1992 assumiu a direção artística da Companhia de Dança de Lisboa. Em Fevereiro de 1995 fundou a Companhia Olga Roriz, da qual é diretora e coreógrafa.

Paralelamente às funções de direção da Companhia, onde tem a seu cargo funcionários, bailarinos, produção, gestão, residentes artísticos, desempenha as funções de diretora e formadora da FOR Dance Theatre, que envolve a contratação de outros formadores, a educação artística dos alunos, também assina várias das suas peças como responsável pelos cenários e figurinos, textos, seleção de imagem e seleção musical.

O seu reportório na área da dança, teatro e vídeo é constituído por mais de 90 obras, onde se destacam as peças “Treze Gestos de um Corpo”, “Isolda”, “Casta Diva”, “Pedro e Inês”, “Paraíso”, “Nortada”, “Electra”, e “A Sagração da Primavera”.

Criou e remontou peças para um vasto número de companhias nacionais e estrangeiras, entre elas, o Ballet Gulbenkian e Companhia Nacional de Bailado (Portugal), Ballet Teatro Guaira (Brasil), Ballets de Monte Carlo (Mónaco), Ballet Nacional de Espanha, English National Ballet (Inglaterra), American Reportory Ballet (EUA), Maggio Danza e Alla Scala (Itália).

Internacionalmente os seus trabalhos foram apresentados nas principais capitais Europeias, assim como nos Estados Unidos da América, Brasil, Japão, Egito, Cabo Verde, Senegal, Tailândia.

Tem trabalhado regularmente em ópera e teatro, colaborando com criação de movimento, com encenadores como João Perry, Ricardo Pais, Claude Lulé, João Lourenço, João Brites, Carlos Avilez, Sílvio Porcaretti, Adriano Luz e Manuel Coelho.

Encenou e foi assistente de dramaturgia em peças como “Crimes Exemplares”, de Max Aub, para o Teatro Plástico e a Ópera “Perséfona”, de Igor Stravinsky, no Teatro Nacional de São Carlos.

Realizou os filmes “Felicitações Madame”, “A Sesta” e “Interiores”.

Várias das suas obras estão editadas em DVD pela produtora Real Ficção, realizadas por Rui Simões. Uma extensa biografia sobre a sua vida e obra foi editada em 2006 pela Assírio&Alvim, com texto de Mónica Guerreiro.

Possui o Curso de Design de Interiores do IADE.

Desde 1982, Olga Roriz tem vindo a ser distinguida com relevantes prémios nacionais e estrangeiros. Entre eles destacam-se o 1.º Prémio do Concurso de Dança de Osaka, Japão (1988), Prémio da melhor coreografia da Revista Londrina Time-Out (1993), Prémio Almada (2004), Condecoração com a insígnia da Ordem do Infante D. Henrique – Grande Oficial pelo Presidente da República (2004), Grande Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores e Milleniumbcp (2008), Prémio da Latinidade (2012), e distinção com o prémio “Mulheres mais Influentes de Portugal”, edição de 2016, pela revista Executiva.

imprimir
tags
veja também
 
evento relacionado
 
outras notícias