conteúdos
links
tags
Campus
Programa Doutoral em Estudos Culturais da Universidade de Aveiro
Brasilino Godinho termina doutoramento aos 85 anos
O Dr. Brasilino Godinho quer avançar para pós-doutoramento
Tinha 77 anos quando entrou na Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas da Universidade de Aveiro (UA). Concluiu o curso 4 anos depois com a média de 15 valores. Na altura prometeu que não iria ficar por aí. Hoje, dia 5 de julho, cumpriu a promessa. Aos 85 anos, Brasilino Godinho defendeu a tese de Doutoramento em Estudos Culturais sobre Antero Quental - aprovada pelo júri por unanimidade - e tornou-se, provavelmente, num dos estudantes a concluir o doutoramento com mais idade do mundo. E volta a prometer seguir em frente: “Quero fazer um pós-doutoramento”.

Aos 15 anos já tinha lido autores como Platão, Aristóteles, Pascal, Descartes, Kant, Tomás de Aquino ou Bertrand Russel. Aos 16 queria ir para a universidade estudar engenharia, mas o avô não lhe quis pagar as propinas e o sonho ficou adiado por largas décadas. “Ainda bem que assim aconteceu, caso contrário não seria o homem que sou hoje”, exclama Brasilino Godinho.

Natural de Tomar, onde nasceu a 25 de outubro de 1931, foi nessa cidade que tirou o Curso Industrial de Serralharia Mecânica. Iniciou a vida profissional como desenhador de construção civil e onze anos depois passou a exercer a profissão de topógrafo e a projectar na área de engenharia rodoviária, tendo desenvolvido a actividade por diversas localidades do país.

Foi no ano de 2008 que a Brasilino Godinho se lhe proporcionaram condições para se candidatar ao ingresso na Universidade. Então, com 77 anos e através do concurso para Maiores de 23 anos, candidatou-se tendo obtido a classificação de 17 valores. O gosto antigo pela escrita (é autor de três livros e tem sido cronista em vários jornais) e pela leitura foram determinantes na opção pelo Curso de Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas. Em dezembro de 2012 concluiu a formação com a média de 15 valores.

descrição para leitores de ecrã
Brasilino Godinho tornou-se caloiro aos 77 anos e aos 85 conclui o doutoramento. E não vai ficar por aqui!

Ir cada vez mais além

O mérito permitiu-lhe avançar para o sonho seguinte: inscrever-se no Programa Doutoral em Estudos Culturais desenvolvido em parceria pelas Universidades de Aveiro e do Minho. Um sonho preenchido com a defesa da tese "Antero de Quental: um Patriotismo Prospectivo no Porvir de Portugal” onde Brasilino Godinho fez a “exaltação da pessoa e obra de Antero de Quental, insigne poeta, extraordinário pensador, grande patriota e figura maior da História de Portugal”.

Agora será tempo de continuar a avançar. Propõe-se fazer um pós-doutoramento, leccionar Cultura Portuguesa e Cultura Espanhola Contemporânea, retomar a atividade de cronista, editar as suas “Crónicas Irreverentes”, reeditar o seu livro “A Quinta Lusitana” e publicar uma obra que mantém em “prudente reserva”. Quer ainda trabalhar numa instituição de Ensino ou exercer gerência de uma empresa que atue nas áreas de serviços, de urbanismo e de construção civil.

“Aqui fica enunciado um conjunto de hipóteses concernentes a actividades que hão-de ser convenientemente articuladas e organizadas, com recurso ao capital acumulado de experiências profissionais e de conhecimentos académicos; o qual foi adquirido e cimentado ao longo de uma existência que conta quase 86 anos de vida”, afirma Brasilino Godinho. Desejos que ousa dizer “preenchidos com sistemático ardor juvenil”.

imprimir
tags
outras notícias