conteúdos
links
tags
Entrevistas
Professor UA – Luís Jorge Gonçalves, Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda
Sucesso dos estudantes sem segredos: “humildade, aprendizagem e trabalho”
Luís Jorge Gonçalves
Quase 20 anos depois de ter abraçado o ensino, continua a surpreender-se com a qualidade e a vontade de aprender dos estudantes da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda (ESTGA). Especialista em geoinformação, Luís Jorge Gonçalves lembra que a alta empregabilidade dos estudantes está ligada ao sistema de aprendizagem seguido na ESTGA, em que estes são motivados a arregaçarem as mangas em projetos articulados com o mercado de trabalho.

Licenciado em Engenharia Geológica pelo Departamento de Geociências da Universidade de Aveiro (UA), pós-graduado e mestre em Integrated Map and Geoinformation Production, na Holanda, Luís Jorge Gonçalves é ainda especialista em Engenharia Geográfica pela UA e em Sistemas de Informação Geográfica (SIG) pela Ordem dos Engenheiros, onde faz parte da direção da comissão de especialização em SIG.

Iniciou a carreira profissional no Laboratório de SIG e Teledeteção da UNAVE (UA) e transitou para a ESTGA há 19 anos, na altura em que esta Escola Politécnica da UA foi fundada. Hoje é o docente responsável por várias unidades curriculares relacionadas com a geoinformação - nomeadamente Sistemas de Bases de Dados, Sistemas de Informação Geográfica e Projeto em Aplicações SIG, na Licenciatura em Tecnologias da Informação, e Bases de Dados Espaciais e Aplicações WebSIG, no Mestrado em Geoinformática.

Desde a criação da ESTGA, Luís Gonçalves também foi consultor de uma grande empresa do Grupo Águas de Portugal durante quase uma década e colaborador em disciplinas ligadas aos SIG de licenciatura e mestrado noutros departamentos da UA.

Qual é o segredo para se ser bom professor? 

Julgo não haver nenhum segredo em especial, como dirão todos os meus colegas. No entanto, procuro estar permanentemente atualizado sobre a área de atividade em que estou inserido, tentar sempre que os alunos estejam motivados nas aulas e, especialmente, nunca lhes limitar a criatividade. É fundamental que os alunos gostem do que estão a fazer, aprendendo. Construindo um bom ambiente nas aulas. Procuro dar sempre projetos e trabalhos reais, em articulação com empresas e outras instituições, já que considero que é a melhor preparação para o futuro profissional dos nossos alunos. Tive a sorte também de ter tido excelentes professores enquanto aluno.

O que mais o fascina na profissão docente?

O contacto com as pessoas, colegas e com jovens de grandes capacidades, que são o futuro do nosso país. É gratificante ver a evolução dos meus alunos, tanto na ESTGA como posteriormente nas suas carreiras profissionais.

Como qualifica a formação que é dada aos estudantes na ESTGA?

Muito boa. O modelo de Aprendizagem Baseado em Projetos seguido na ESTGA, particularmente no curso onde estou inserido (Tecnologias da Informação), permite o desenvolvimento de competências técnicas e práticas na área das tecnologias, assim como a capacidade de trabalhar em grupo, fundamentais à inserção no mercado de trabalho. Na minha área de atividade, a licenciatura em TI é inovadora no país pela inclusão de disciplinas ligadas à geoinformação (especialmente SIG, open source) no core do curso, normalmente lecionadas ao nível de mestrado e doutoramento. Isto tem permitido um alargamento da área de recrutamento dos nossos alunos, sabendo-se a importância da componente espacial presente nos Sistemas de Informação em geral.

Que grande conselho daria aos alunos?

Humildade, aprendizagem contínua e sempre, sempre, muita capacidade de trabalho.

Houve alguma turma que mais o tivesse marcado? Porquê?

Não poderei dizer isso, uma vez que ao longo destes 19 anos na ESTGA tive sempre o privilégio de conhecer alunos com grande vontade de aprender. Das coisas que mais me orgulho é ler e ouvir palavras de reconhecimento dos meus alunos, sinónimo que lhes transmiti alguns conhecimentos e que mantenho com a grande maioria deles uma amizade que vai resistindo ao tempo, por mais anos que passem.

Pode contar-nos um episódio curioso que se tenha passado em contexto de sala de aula ou com estudantes?

Tenho vários, mas talvez pelo simbolismo de ter sido o primeiro no curso de TI, vou referir este. No ano de arranque do curso, surgiu o convite para desenvolver um sistema de informação (geográfica) para a rede de iluminação pública de uma autarquia, inovador na altura. Como requisitos, uma aplicação SIG de raiz para apoio à faturação e projetos, na web, em open source. Os alunos da primeira aula de Sistemas de Informação Geográfica na ESTGA nunca tinham ouvido falar destes sistemas ou sequer das particularidades da informação geográfica, tradicionalmente matérias lecionadas em cursos noutras áreas. Expliquei-lhes os objetivos e disse-lhes que com o decorrer das aulas, investigação, trabalho de grupo e, sobretudo, motivação de todos, seria possível construir o sistema. Perguntei quem queria arriscar participar no projeto e, para surpresa minha, todos queriam fazê-lo, embora tivessem outros projetos, mais “seguros” à escolha. Foi logo aí que me apercebi da qualidade e vontade de aprender dos nossos alunos e o que seria possível fazer na área dos SIG’s com alunos com este perfil, fortemente ligados à programação de sistemas de informação.

Com os resultados conseguidos foi possível sempre motivar os alunos dos anos subsequentes e surgiram projetos como, entre outos, o “Portal de Oferta Pública Desportiva de Lisboa”, várias aplicações para a World Bike Tour e colaboração com várias empresas, autarquias, outras instituições, departamentos da UA e outras universidades. E ainda hoje não paro de me surpreender com a qualidade e vontade de aprender dos nossos alunos.

 

descrição para leitores de ecrã
A amizade que une Luís Gonçalves à grande maioria dos estudantes que ensinou é um dos grandes orgulhos do professor.

Traço principal do seu carácter

Posso indicar dois? Humildade e lealdade.

Ocupação preferida nos tempos livres

Futebol e futsal com os amigos. Moto, quando o tempo o permite.

 

imprimir
tags
outras notícias