conteúdos
links
tags
Investigação
Dossier Saúde
UA faz trabalho de excelência na área da Saúde
UA faz trabalho de excelência na área da Saúde
Reconhecida pela sua notável reputação na vertente tecnológica, a UA é uma das 500 melhores universidades do mundo, estando, desde a década de 90, a fazer da formação e investigação em Saúde uma das suas apostas prioritárias. Parte desta ação pode ser conhecida nos vários artigos que compõem este dossier.

A assinatura, em outubro, do memorando de entendimento “Mais Conhecimento, Melhor Saúde” veio evidenciar o trabalho que há muito é desenvolvido de forma multidisciplinar na UA em matéria de formação e translação do conhecimento resultante da investigação em Ciências e Tecnologias da Saúde para a clínica e para a melhoria da qualidade de vida da população.

Na intervenção pública que proferiu no dia em que a UA atribuiu o título Doutor Honoris Causa ao Professor Antonio Campos Muñoz, o Reitor Manuel António Assunção sublinhava a importância crescente da saúde na vida de todos, cidadãos, territórios, organizações, estados, bem como o caráter inter e pluridisciplinar que se multiplica diariamente, acrescentando: “A UA, pelo seu perfil de áreas de conhecimento, pela sua estrutura matricial, pela dinâmica de relacionamento com o que a rodeia, pela responsabilidade para com a cidade e a região, não poderia deixar de encarar a saúde como uma prioridade estratégica”.

Mais recentemente uma outra boa notícia veio reforçar o bom nome da UA em matéria de Saúde, também confirmada pela entrada da instituição, de acordo com o índex ISI, no percentil 10 por cento das instituições universitárias mais influentes no mundo no campo da medicina clínica. Em breve, Portugal vai ter um centro de excelência em medicina regenerativa e de precisão e a UA é uma das cinco universidades nacionais envolvidas, fazendo também parte do consórcio, a britânica University College London (UCL), líder mundial em Ciências e Tecnologias da Saúde. Com sede em Guimarães, este novo centro multicampi reúne um conjunto de centros e de cientistas de excelência e vai focar-se em investigação multidisciplinar que se traduzirá em métodos inovadores a serem aplicados na prevenção e no tratamento de doenças músculo-esqueléticas, neuro-degenerativas e cardiovasculares.

Elevada atratividade e empregabilidade dos cursos atestam qualidade da formação em saúde

No que toca ao ensino, e a par da formação em Psicologia, ministrada pelo Departamento de Educação e Psicologia, a UA tem um Departamento de Ciências Médicas (DCM) e uma Escola Superior de Saúde (ESSUA) que, nalguns casos em parceria com outros departamentos da UA, lecionam cursos de 1.º, 2.º e 3.º ciclos na área das Ciências Biomédicas, Enfermagem, Fisioterapia, Terapia da Fala, Imagem Médica e Radioterapia, Gerontologia, Engenharia Biomédica, Biomedicina Molecular, Materiais e Dispositivos Biomédicos, Enfermagem de Saúde Familiar, e Biomedicina, sendo o programa doutoral em Biomedicina resultado de uma parceria estabelecida com a Universidade Nova de Lisboa (UNL).

Em estreita colaboração com o Instituto de Biomedicina da UA – iBiMED, o DCM está fortemente empenhado na formação avançada em múltiplas especialidades das Ciências Médicas e da Saúde e num projeto pedagógico inovador que integre aprendizagem baseada na resolução de problemas e de projetos. Para além do mestrado em Biomedicina Molecular e do programa doutoral em Biomedicina, este Departamento submeteu recentemente à Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) um mestrado inovador em Management da Investigação Clínica, em parceria com a UNL, e um programa doutoral em Ciências da Saúde.

Com esta nova oferta formativa, explica Manuel Santos, diretor do DCM e do iBiMED, consolidam-se os três pilares fundamentais da atividade deste Departamento e desta Unidade de Investigação: a Biomedicina, a investigação clínica e a formação médica avançada, dotando Aveiro dos recursos humanos necessários à sua afirmação na área da Saúde.

A par da qualidade da formação ministrada nos vários cursos da área da Saúde, atestada pela sua elevada atratividade e empregabilidade, a rede de instituições de saúde que colaboram com a Universidade e as diferentes valências científicas que existem no campus e que permitem o desenvolvimento de investigação multidisciplinar competitiva, fazem da formação e produção do conhecimento neste domínio uma aposta ganha.

Para conhecer parte do trabalho de investigação realizado na área da saúde pelas diversas unidades de investigação da UA clique aqui.

A investigação em saúde em curso no CICECO pode ser conhecida aqui.

Saiba mais sobre a ação do iBiMED aqui e conheça algumas das patentes e modelos de utilidade nesta área que tanto tem beneficiado com a inovação e evolução tecnológica.

Nota: este artigo foi publicado na edição número 26 da revista Linhas.

imprimir
tags
veja também
 
outras notícias