conteúdos
links
tags
Campus
Ana Hilário, investigadora do Departamento de Biologia e do CESAM
Bióloga da UA na Namíbia dá formação na área da Biologia do Oceano Profundo
Ana Hilário, bióloga da Universidade de Aveiro (UA), esteve na Namíbia onde participou na organização de um workshop de formação e transferência de conhecimento na área da Biologia do Oceano Profundo organizado pelo INDEEP, a organização internacional que surgiu como resultado do projeto "Census of Marine Life" e que tem como um dos seus objetivos a partilha de conhecimento científico entre países, particularmente países em desenvolvimento.

A motivação para a realização deste workshop, relata a investigadora do Departamento de Biologia e do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da UA, surgiu da cada vez maior pressão de companhias de mineração para extraírem recursos do mar profundo, o que muito provavelmente vai começar por acontecer em águas de países em desenvolvimento Africanos e da Oceânia. ”A extração de minerais do mar profundo é altamente atrativa para estes países por razões económicas óbvias, mas pode vir a ter custos ambientais muito elevados se não for feita de um modo sustentável”, explica Ana Hilário. Em muitos casos, “os países em desenvolvimento não têm os recursos humanos com a formação necessária para de um modo independente estabelecerem compromissos entre desenvolvimento e sustentabilidade baseados nas realidades e prioridades económicas, sociais, culturais e ecológicas de cada país”.

Assim, com o workshop o INDEEP http://www.indeep-project.org pretendeu iniciar a formação de recursos humanos em questões relacionadas com o mar profundo em países Africanos. A escolha da Namíbia está relacionada com o facto das autoridades locais estarem a considerar extrair recursos  mineira da sua plataforma continental num futuro muito próximo e, por isso, “há uma necessidade urgente de formação", e de uma investigadora membro do INDEEP e de uma outra organização relacionada, o DOSI (Deep-Ocean Stewardship Initiative), estar ligada ao Ministério das Pescas da Namíbia e tem promovido os contactos com todas as instituições e autoridades necessárias para a organização desta primeira edição do workshop.

Apesar dos participantes terem sido maioritariamente da Namíbia, o workshop teve também participantes de Angola, Mauritânia, Madagáscar e Quénia. A seleção dos participantes foi feita com base no seu potencial para utilizarem e disseminarem no seu país de origem o conhecimento adquirido, e desenvolverem projetos de investigação científica que contribua diretamente para cobrir as necessidades do seu país no que diz respeito à exploração de recursos do oceano profundo.

Para além do financiamento do INDEEP, o workshop teve também o patrocínio da International Seabed Authority

imprimir
tags
outras notícias