conteúdos
links
tags
Campus
Reitor e diretor do DBio lamentam perda do cientista e amigo
António Correia (1956-2016): professor marcante para várias gerações de alunos de Biologia na UA
António Correia (1956-2016)
Os primeiros dias de 2016 na Universidade de Aveiro (UA) trouxeram a triste notícia do falecimento de António Correia, professor catedrático do Departamento de Biologia (DBio) e coordenador do MicroLab, laboratório de Microbiologia. Reitor e diretor do DBio lamentam perda do cientista, amigo, gerador de consensos, determinado nas suas convicções e empenhado na causa da UA. O corpo está em câmara ardente na Capela Mortuária da Igreja Paroquial de Linda-a-Velha, Lisboa, até 7 de janeiro, seguindo nesse dia, pelas 15h30, para o crematório de Barcarena.

O Reitor da UA, Manuel António Assunção, lamentou a perda do amigo, do cientista empenhado na melhoria da qualidade de investigação e do ensino da UA, gerador de consensos e determinado nas suas convicções: “O Professor António Correia deixou-nos ontem ao cair da noite. Partiu alguém que ajudou a edificar o projecto da Universidade de Aveiro durante 32 anos. Alguém que foi reconhecido pela sua paixão pelo ensino e pela qualidade das suas aulas; e que será lembrado por tantas e tantos estudantes que tiveram o privilégio de conviver com o seu entusiasmo e a sua dedicação. Alguém que, através da fundação e da liderança do Laboratório de Microbiologia - hoje com mais de 40 elementos -, mostrou perceber bem a importância da pesquisa, ao mais alto nível, para o sucesso da UA. Foi um docente e um investigador sempre presente, assumindo-se como um exemplo de grande responsabilidade institucional.” 

“Equilibrado, calmo, com o sentido de vida e estratégico que lhe era dado pelo que transportava consigo desde 2000, assim era o António Correia desde que o conheci. Tornou-se meu amigo pessoal e o meu principal confidente e estratego para as questões da vida profissional. Muito do que é, e será, o DBio resulta da consensualização sempre procurada e feita entre os dois.”, afirma Amadeu Soares, diretor do Departamento de Biologia.

Consternação de todos

Dezenas de comentários nas redes sociais, até ao final da tarde de dia 6 de janeiro, manifestavam consternação pelo desaparecimento deste cientista e também “mentor”, “amigo”, “inspirador”, dinamizador de “aulas marcantes” e “inesquecíveis” para várias gerações de alunos de Biologia.

“Uma grande perda para o MicroLab e para a UA”, lamentava Artur Alves, investigador principal no MicroLab. “O Prof. António era realmente um grande professor. Como poucos! Daqueles que enchem os anfiteatros e inspiram os alunos. Marcou, sem qualquer sombra de dúvida, várias gerações que passaram pelo DBio. A mim marcou certamente!”, recordava. “Ao longo dos anos, com a sua força, otimismo e teimosia convenceu-nos que todos os momentos difíceis seriam seguidos de momentos melhores. Como excelente Professor sempre valorizou muito a opinião de quem o ouvia. Para nós, a sua gente, este é um momento muito difícil. Mas ficam muitos anos de memórias e ensinamentos. Obrigada Chefe, foi um grande, grande privilégio.”, testemunhava Isabel Henriques, também investigadora no MicroLab.

“Um percurso que se fez inteiro de seriedade, de disponibilidade [a todos sem exceção] e de doçura também.”, comentava ainda Sofia Oliveira naquela página da rede social. “Será sempre lembrado como um Professor inspirador, dedicado e sempre sorridente.”, completava Sofia Oliveira.

Do trabalho científico que António Correia foi desenvolvendo e coordenando, destacam-se os estudos sobre bactérias resistentes a antibióticos e sobre fungos. Mas, entre as caraterísticas que o definiam, teria de estar o seu percurso e conhecimento abrangentes em vários campos campo da Biologia, assim como a sua dinâmica e grande abertura à novidade, nas aulas e na investigação, considera Ana Cristina Esteves, investigadora de pós-doutoramento, sob sua orientação.

Professor responsável por disciplinas como Microbiologia, Genética e Engenharia Genética. Lançou o Mestrado em Microbiologia. “O ensino sempre foi uma grande paixão. Reconhecido pelos alunos como um excelente professor, tendo marcado várias gerações que passaram pela UA.  Para ele o trabalho com os alunos constituía uma forma ativa e constante de aprender.”, constata ainda o amigo e colega Amadeu Soares. António Correia era membro do Conselho Geral da UA, foi membro do Conselho Diretivo do Departamento de Biologia até 2014 e era chefe do grupo “Biologia do stress” no Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), para além de coordenador do MicroLab.

Fundou e liderava o Laboratório de Microbiologia (MicroLab), atualmente com mais de 40 membros. Coordenou vários projetos de investigação, desenvolvendo trabalho reconhecido internacionalmente. Publicou mais de 100 artigos científicos em revistas da especialidade e vários capítulos de livros. Orientou inúmeros alunos de graduação e pós-graduação.

“Um professor/investigador com um entusiasmo contagiante pela Microbiologia que inspirou todos os alunos/investigadores que tiveram o privilégio de com ele trabalhar. Era um gerador de consensos, consensualmente querido por todos”, conclui ainda o diretor do Departamento.

Testemunho do Reitor da UA

“O Professor António Correia deixou-nos ontem ao cair da noite. Partiu alguém que ajudou a edificar o projecto da Universidade de Aveiro durante 32 anos. Alguém que foi reconhecido pela sua paixão pelo ensino e pela qualidade das suas aulas; e que será lembrado por tantas e tantos estudantes que tiveram o privilégio de conviver com o seu entusiasmo e a sua dedicação. Alguém que, através da fundação e da liderança do Laboratório de Microbiologia - hoje com mais de 40 elementos -, mostrou perceber bem a importância da pesquisa, ao mais alto nível, para o sucesso da UA. Foi um docente e um investigador sempre presente, assumindo-se como um exemplo de grande responsabilidade institucional.”

Foi o António alguém que aliou dotes intelectuais a características pessoais únicas. Era conciliador e promotor de pontes ao mesmo tempo que se mostrava inabalável nas suas convicções e firme na defesa das ideias com que se comprometia. Era impetuoso, determinado e inspirador mas cultivava a ponderação e o equilíbrio. O seu humor e o sentido estratégico andavam a par e ambos foram utilíssimos nos dois mandatos em que serviu a Universidade enquanto membro eleito do Conselho Geral. E tudo isto aconteceu quando, em quase metade do tempo que passou na UA, o António era portador da doença que determinou, afinal, a sua partida cedo demais. O Professor António Matias Correia foi, definitivamente, alguém que deixa marca!

Saberão alguns que o António era um dos meus melhores amigos, meu padrinho, meu companheiro de grandes e pequenas jornadas - incluindo a alegria do último bicampeonato -, ao longo de mais de três décadas. As minhas palavras podem, assim, ser suspeitas; a minha emoção não!

O meu obrigado e aquele abraço, António.”

(Manuel António Assunção, Reitor da Universidade de Aveiro)

Testemunho do Diretor do DBio

“Equilibrado, calmo, com o sentido de vida e estratégico que lhe era dado pelo que transportava consigo desde 2000, assim era o António Correia desde que o conheci. Tornou-se meu amigo pessoal e o meu principal confidente e estratego para as questões da vida profissional. Muito do que é, e será, o dbio resulta da consensualização sempre procurada e feita entre os dois. Presente no dbio desde 11 de janeiro de 1983, seria o presidente da Comissão de Comemoração dos 40 anos do dbio.

Professor responsável por disciplinas como Microbiologia, Genética e Engenharia Genética. Lançou o Mestrado em Microbiologia. O ensino sempre foi uma grande paixão. Reconhecido pelos alunos como um excelente professor, tendo marcado várias gerações que passaram pela UA.  Para ele o trabalho com os alunos constituía uma forma ativa e constante de aprender.

Fundou e liderava o Laboratório de Microbiologia (MicroLab), atualmente com mais de 40 membros. Coordenou vários projetos de investigação, desenvolvendo trabalho reconhecido internacionalmente. Publicou mais de 100 artigos científicos em revistas da especialidade e vários capítulos de livros. Orientou inúmeros alunos de graduação e pós-graduação. Um professor/investigador com um entusiasmo contagiante pela Microbiologia que inspirou todos os alunos/investigadores que tiveram o privilégio de com ele trabalhar.

Era um gerador de consensos, consensualmente querido por todos.

Até sempre!”

(Amadeu Soares, Diretor do Departamento de Biologia da UA)

imprimir
tags
outras notícias