conteúdos
links
tags
Investigação
Investigadores do I3N e do Departamento de Física conseguem novo reconhecimento internacional
Trabalho de investigadores da UA conduziu a publicações sucessivas no Scientific Reports (Nature)
Um método de fazer crescer estruturas de ZnO pioneiro a nível mundial
Investigadores do Departamento de Física da Universidade de Aveiro (UA)/I3N demonstram a estabilidade da emissão no verde em estruturas de díodos emissores de luz (LED) baseados em nitreto de gálio e ajudam a esclarecer a importância dos fenómenos de superfície na emissão micro/nanoestruturas de óxido de zinco processado por laser através de um método inovador a nível mundial desenvolvido no polo de Aveiro do Laboratório Associado I3N. Ambos os trabalhos mereceram, publicação no periódico “Scientific Reports”, do grupo “Nature”, e são reflexo da relevância de um já longo trabalho dos investigadores no âmbito da síntese e caracterização ótica de materiais.

Os artigos, publicados nas edições de abril e junho do Scientific Reports, embora resultado de colaborações internacionais, são assinados maioritariamente por investigadores do Departamento de Física (DF) do Instituto de Nanoestruturas, Nanomodelação e Nanofabricação (I3N) da UA. Mais uma vez, é publicado trabalho científico que ombreia com o que de melhor se faz a nível internacional, nesta área de investigação fundamental relevante para futuras aplicações nas áreas da optoelectrónica, fotónica e energia.

O artigo “Luminescence studies on green emitting InGaN/GaN MQWs implanted with nitrogen”, publicado na edição de abril, incide sobre o estudo da emissão verde em estruturas com camadas nanométricas alternadas de nitreto de gálio (GaN) e ligas de nitreto de gálio com índio (InGaN), vulgarmente designadas por poços quânticos múltiplos (MQW) e que são idênticas às utilizadas no fabrico dos LEDs azuis já disponíveis comercialmente. A emissão verde é uma das cores primárias crucial para aplicações na iluminação, mas caracterizada por uma baixa eficiência. O interesse em promover um aumento da eficiência desta emissão tem motivado a comunidade científica na procura de soluções sobre como controlar a emissão nesta região espectral nos MQWs, contribuindo para aumentar o conhecimento na área. O estudo realizado pelos investigadores da UA traz contributos relevantes para a estabilidade da emissão de luz verde que se obtém a partir destas estruturas.

Este trabalho é assinado por Marco A. Sousa, Teresa C. Esteves, Nabiha Ben Sedrine, Joana Rodrigues, Márcio B. Lourenço, Andrés Redondo-Cubero, Eduardo Alves, Kevin P. O’Donnell, Michal Bockowski, Christian Wetzel, Maria do Rosário Correia, Katharina Lorenz e Teresa Monteiro.

O segundo artigo publicado na Scientific Reports, “Effect of N2 and H2 plasma treatments on band edge emission of ZnO microrods”, evidencia que a técnica inovadora e pioneira de processamento a laser desenvolvida nos laboratórios do I3N do DF da UA (técnica de deposição por fluxo assistido por laser, LAFD) permite sintetizar materiais com diferentes morfologias (micro/nano fios, nanopartículas, tetrapods) de elevada qualidade estrutural e ótica. Este método de crescimento não utiliza catalisadores e tem como uma das grandes vantagens poder ser facilmente transposto para a indústria.

A colaboração entre os elementos dos grupos de crescimento e de caracterização ótica do I3N proporcionou que uma das emissões ultravioleta observadas no ZnO, a mais debatida pela comunidade científica internacional, fosse clarificada quanto à sua natureza.

Este segundo trabalho é assinado por Joana Rodrigues, Tiago Holz, Rabie Fath Allah, David Gonzalez, Teresa Ben, Maria do Rosário Correia, Teresa Monteiro e Florinda M. Costa. 

imprimir
tags
outras notícias