conteúdos
links
tags
Distinções
Projeto da bióloga da Universidade de Aveiro traz pela primeira vez para Portugal galardão da Fundação Yves Rocher
Milene Matos conquista duplo Prémio Internacional Terre de Femmes
Milene Matos estuda biodiversidade do Buçaco
O projeto “Biodiversidade para Todos” da Mata do Buçaco, um trabalho da bióloga da Universidade de Aveiro (UA) Milene Matos, é o vencedor do Prémio Internacional Terre de Femmes. Instituído pela Fundação Yves Rocher, o trabalho de Milene Matos conquistou pela primeira vez para Portugal um galardão que este ano colocou a concurso outros seis projetos de seis mulheres da França, de Marrocos, da Suíça, da Alemanha, da Ucrânia e da Rússia. Vencedora nacional do prémio Terre de Femmes, atribuído a 3 de março, Milene Matos recebeu o prémio a 2 de abril, em Paris, durante a cerimónia internacional da Yves Rocher. O trabalho arrecadou também o Prémio do Público atribuído por votação online.

Fundados pela Fundação Yves Rocher, os galardões nacionais e internacionais pretendem homenagear o trabalho das mulheres que, por todo o mundo, contribuem para salvaguardar o mundo vegetal e para melhorar o meio ambiente, agindo simultaneamente para o bem-estar da sociedade. Em 13 anos de existência o Terre de Femmes já homenageou o trabalho de “compromisso pela Terra” de mais de 350 mulheres de todo o mundo.

“Se é verdade que dediquei muitas horas, anos, ao trabalho no Buçaco, não é menos verdade que este prémio o devo aos portugueses. O apoio de amigos, colegas e mesmo perfeitos desconhecidos foi indescritível, desde o primeiro dia das votações”, agradece Milene Matos vitoriosa entre milhares de votos distribuídos pelas vencedoras dos prémios nacionais de sete países, no caso do Prémio do Público Terre des Femmes. No entanto, a bióloga da UA mereceu também a distinção atribuída pelo júri.

“Penso que esta votação foi mais uma mostra da força que os portugueses podem ter quando acreditam em algo, quando se mobilizam por uma causa. Tudo farei para ser merecedora de tal voto de confiança. Espero ver todos os votantes na Mata ou noutra área, para passar dos votos à prática, em prol do ambiente”, apela a bióloga

Como tal, e dentro do que o regulamento do Prémio Terre de Femmes prevê, Milene Matos lembra que os prémios do público, que lhe valerá 5 mil euros, e os 10 mil euros do prémio Internacional, vão ser devolvidos ao próprio público. “Desta feita, não sob a forma de valores naturais ou serviços dos ecossistemas, mas de uma forma mais imediata. Tenho um plano, que verei se posso por em prática, de criar verdadeiras ‘novas oportunidades’ formativas e educativas, a quem se envolva também no projeto e no espírito de solidariedade que o reveste”, aponta a investigadora do Departamento de Biologia da UA.

Um projeto pela conservação e conhecimento do Buçaco

Milene Matos tem trabalhado em diversas áreas protegidas portuguesas, com especial incidência na Mata do Buçaco onde a conservação da biodiversidade local tem sido o principal enfoque do seu trabalho. Com o projeto “Biodiversidade para Todos”, com que conquistou o Prémio do Público Terre de Femmes, Milene Matos tem como objetivo “usar o património natural, histórico e cultural inigualável da Mata Nacional do Buçaco como veículo para a construção de um serviço educativo com funções pedagógicas, mas também sociais e de promoção e proteção da biodiversidade”.

O objetivo maior do “Biodiversidade para Todos” é mostrar a biodiversidade como um elemento unificador a todos os níveis. “É um valor de todos e para todos”, sublinha a bióloga. O projeto quer adotar um modelo de formação-ação, em que os participantes aprendem e de imediato sentem o seu contributo para a proteção da natureza. “Ao sentirem-se parte de um projeto com resultados imediatamente observáveis, ficam sensibilizados para aspetos que antes não consideravam importantes”, diz.

Este entrosamento, sublinha Milene Matos, “tem revelado aspetos não totalmente previstos também a nível social, tendo-se demonstrado, por exemplo, que este modelo tem resultados tangíveis na reinserção social de reclusos, no combate ao isolamento de idosos, no comprometimento de crianças e jovens com a biodiversidade, e no envolvimento da sociedade civil e do tecido empresarial para as questões de ambiente”.

imprimir
tags
outras notícias