conteúdos
links
tags
Campus
Serviço de Apoio aos Utilizadores com Necessidades Especiais
Biblioteca da UA disponibiliza apoio para estudantes com necessidades educativas especiais
Rita Gonçalves e Andrea Martins, as técnicas dos SBIDM que têm planeado e implementado os recursos do SAUNE
É uma ajuda única e preciosa entre as bibliotecas universitárias nacionais. Dá pelo nome de Serviço de Apoio aos Utilizadores com Necessidades Especiais (SAUNE) e tem por objetivo maior apoiar e orientar os estudantes com dificuldades de visão e motoras no acesso a toda a informação existente na Biblioteca da Universidade de Aveiro (UA). Entre a produção e disponibilização de conteúdos em formatos digitas ou em Braille, o apoio personalizado na pesquisa de informação e os gabinetes equipados com tecnologias de apoio, o SAUNE garante que se a Biblioteca tem, a Biblioteca disponibiliza (mesmo!) a todos os estudantes, sejam da UA, sejam de outras instituições de ensino superior portuguesas.

Nascido em 2009, o SAUNE “veio impulsionar o acesso generalizado à informação aos estudantes com necessidades educativas especiais, ao mesmo tempo que criou condições de garantia e igualdade de acesso às fontes de informação essenciais para a aprendizagem”, garante Ana Bela Martins, diretora dos Serviços de Biblioteca, Informação Documental e Museologia (SBIDM) da academia de Aveiro. Um serviço que, aponta a responsável, “é único nas bibliotecas universitárias” portuguesas. “Infelizmente as instituições de ensino superior que mantêm e disponibilizam repositórios com conteúdos acessíveis [a alunos com necessidades especiais] são ainda muito reduzidas”, lamenta.

Os dois gabinetes recheados de equipamentos e softwares pensados para utilizadores com dificuldades visuais e motoras são a face mais visível da missão que o SAUNE abraça. A impressora que permite imprimir qualquer informação em Braille, a Linha Braille Focus 40 (teclado em Braille que permite navegar no ambiente Windows e na Internet), a lupa e o software de leitura de ecrã são algumas das ferramentas que as salas têm à disposição dos estudantes cegos ou com baixa-visão.

Digitalizar, digitalizar, digitalizar sempre

A montante, e para que toda a informação chegue à tecnologia, o trabalho de Andrea Martins e Rita Gonçalves, as técnicas dos SBIDM que têm planeado e implementado os recursos do SAUNE, implica a digitalização e a conversão OCR dos livros recomendados pelos docentes e restante material de apoio às aulas. O reconhecimento ótico de carateres (OCR) permite converter diferentes tipos de documentos – em papel, arquivos em PDF e imagens capturadas com máquinas fotográficas digitais - em dados pesquisáveis e editáveis em computador.

Para além dos documentos imprescindíveis a um normal acompanhamento das aulas, o serviço disponibiliza também livros, artigos científicos, teses e dissertações que, convertidos num formato acessível estão à distância de um clique no Repositório Biblioteca Aberta do Ensino Superior da Universidade de Aveiro, um arquivo que está acessível, igualmente, a alunos com necessidades especiais das outras universidades do país.

Também nos gabinetes, e a pensar nos utilizadores com dificuldades motoras, o braço articulado (que permite colocar o monitor do computador em qualquer posição), o page turner (que vira as folhas dos livros mecanicamente) e o tracker pro (permite mover o ponteiro do rato com movimentos da cabeça) são exemplos das tecnologias de apoio disponíveis.

Orientar estudantes e sensibilizar docentes

E porque de nada vale a tecnologia se os utilizadores não a souberem utilizar, Andrea Martins e Rita Gonçalves prestam orientação aos estudantes sobre a melhor forma de usar fontes e recursos de informação digitais disponíveis nas bibliotecas da UA. Para além disso, o portal web do SAUNE garante um conjunto de serviços, recursos e fontes de informação de apoio ao estudo e à aprendizagem para os alunos. Este site foi desenvolvido na Biblioteca para permitir a qualquer pessoa aceder e interagir na Web sem qualquer barreira.

Da mesma forma pedagógica, docentes, não docentes e estudantes são sensibilizados pelo SAUNE para a necessidade de se produzir e disponibilizar em formato digital acessível os documentos que elaboram no âmbito das suas atividades e funções. Para tal foi elaborado um tutorial com algumas orientações técnicas.

Ana Bela Martins, responsável pelo SAUNE, lembra que “as bibliotecas de ensino superior exercem um papel fundamental no seio da comunidade académica, enquanto mediadoras no acesso à informação, sendo um elemento-chave no apoio ao ensino e à investigação para a produção de conhecimento científico”. Por isso, a diretora defende que “também a promoção e disponibilização de recursos, serviços e equipamentos deve responder da mesma forma e nas mesmas condições a todo o tipo de utilizadores”. Tal e qual como o SAUNE faz. 

imprimir
tags
outras notícias