conteúdos
links
tags
Opinião
Ricardo Alves de Sousa, coordenador do estudo e investigador no Departamento de Engenharia Mecânica da UA
“O progresso científico faz-se do constante questionamento e crítica construtiva”
O investigador Ricardo Sousa
A propósito do estudo do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Aveiro (UA) divulgado esta semana e que aponta para que as normas internacionais que regulamentam os capacetes não oferecem aos motociclistas uma proteção segura, Ricardo Sousa, coordenador da investigação, reforça a ideia já difundida que o trabalho laboratorial em causa tem como grande objetivo ajudar a melhorar a proteção de quem circula em duas rodas.

Em complemento das notícias publicadas acerca do trabalho desenvolvido na Universidade de Aveiro sobre as normas que regem as qualidades dos capacetes vendidos na União Europeia, importa esclarecer a opinião pública acerca dos seguintes factos:

- A avaliação do grau de exigência da norma ECE.R22 teve um caráter pedagógico e construtivo, alertando para o facto de que as normas internacionais devem ser atualizadas de forma a acompanhar o ritmo da evolução tecnológica;

- À semelhança de outros sistemas de segurança rodoviários, tais como para-choques, airbags ou cintos de segurança, o capacete oferece proteção, salva vidas, mas pode permitir a ocorrência de lesões. O estudo divulgado detetou estas possíveis lesões, numa perspetiva construtiva e positiva sobre o caminho a seguir na busca de mais melhorias;

- Reforça-se assim que em nenhum momento foram postas em causa as qualidades de construção  dos capacetes, ou o grau de rigor dos ensaios realizados, sejam eles de qualquer marca nacional ou estrangeira. Salienta-se sim, a margem de manobra que existe - à luz do progresso tecnológico dos últimos 10 anos - para melhoramentos na qualidade, e que as normas atuais (com 13 anos) podem e devem começar a exigir através da sua evolução;

- O progresso científico faz-se do constante questionamento e crítica construtiva. O estudo que vem sendo realizado nos últimos anos, devidamente fundamentado e validado, enquadra-se num tema de investigação amplamente divulgado e discutido na comunidade científica internacional, do qual este grupo de investigação se orgulha de pertencer.

Deixa-se uma nota final de apreço ao tecido industrial da zona de Aveiro relacionada com a industria de capacetes, que tem vindo a primar pela inovação e cooperação com a comunidade científica na busca de mais e melhores soluções para a proteção dos motociclistas.

imprimir
tags
outras notícias