conteúdos
links
tags
Cultura
Dia 6 de junho, no Auditório da Reitoria
Concerto Final das Classes de Orquestra do DeCA
Orquestra das Beiras
As obras de Richard Wagner, Erich Wolfgang Korngold e Antonín Leopold Dvorák vão estar em destaque no Concerto Final das Classes de Orquestra de Cordas e de Sopros do Departamento de Comunicação e Arte (DeCA) da Universidade de Aveiro (UA) a realizar no próximo dia 6 de junho, pelas 21h30, no Auditório da Reitoria. Vão estar em palco também a Orquestra Filarmonia das Beiras, Kinga Maria Switaj, no violino, e Ernst Schelle, na direção do concerto.

De Richard Wagner (1813 – 1883) vai ser interpretado o “Prelúdio Tristão e Isolda”; de Erich Wolfgang Korngold (1897 – 1957)  o “Concerto para violino em Ré Maior, Op. 35”; e de Antonín Leopold Dvorák (1841 – 1904) a “Sinfonia nº 7 em Ré menor, Op. 70”.

Orquestra de Cordas e de Sopros do DeCA

As Orquestras do DeCA da UA são constituídas pelos alunos instrumentistas dos cursos de Licenciatura e Mestrado em Música e incluem-se nos planos curriculares dos respetivos cursos. Instituídas em 2005 com o objetivo de oferecer aos alunos formação em contexto de prática de conjunto, abordam repertório específico para sopros e para cordas, juntando-se em momentos específicos durante o ano letivo para abordar o grande repertório sinfónico e coral-sinfónico. Colaboram regularmente com o Coro do DeCA da UA e com a Orquestra Filarmonia das Beiras, tendo-se apresentado em atuações não só em Aveiro, como na Figueira da Foz, Vila Nova de Gaia, Ílhavo, Lagos, Lousã, Oliveira de Azeméis, Oliveira do Bairro, Peniche e Sever do Vouga.

A violinista - Kinga Maria Switaj

Kinga Maria Switaj, violinista Polaca, iniciou os seus estudos musicais aos sete anos na Escola Primária de Música de Katowice, e posteriormente na Karol Szymanowski Secondary School Katowice, onde estudou violino com Adam Wagner. Em 1998, iniciou os seus estudos na Academia Superior de Música Karol Szymanowski, na classe de violino de Janusz Skramlik.

Em 2002 e 2003 foi bolseira na Chamber Music & Festival Orchestra Summer Program, em Idylwild (Califórnia, Estados Unidos da América); foi selecionada para concertino do Festival Orquestra e tocou em diversos concertos em Los Angeles (Royce Hall), tendo tido aí a oportunidade de ter aulas e master classes com prestigiados músicos e professores como Vesna Gruppman, Igor Gruppman, Larry Livingston, John Waltz, David Speltz e Edith Orloff.

Apresenta-se frequentemente em concertos com a pianista Magdalena Schoppa, com um repertorio bastante abrangente, desde o barroco até à música contemporânea, em concertos na Polónia, Alemanha, Áustria (Viena) e Canadá (Calgary).

Na Polónia apresenta-se regulamente com a Orquestra de Câmara Camerata Impuls e com diversas orquestras sinfónicas.

Tem trabalhado como freelance com orquestras e grupos de câmara em países como a Alemanha, Áustria, Suíça, França, Mónaco, Espanha e Portugal. Desde 2009, integra o naipe dos primeiros violinos da Orquestra Filarmonia das Beiras.

O maestro: Ernst Schelle

Músico de origem berlinense, nascido em Potsdam em 1948, recebeu uma formação completa como violinista e como maestro. Aos 15 anos dirigiu o seu primeiro concerto em Lausanne.

Da sua longa e diversificada carreira musical destaca-se a sua atividade como maestro, a qual teve início em 1968 com as Orquestras Suíças. Em 1978 é laureado pelo Concurso Internacional de Jovens Maestros de Besançon. Nomeado regente principal da Orquestra de Besançon a partir de 1979, cargo que ocupou até 1984, é convidado, em 1980, pelo Ministério da Cultura Alemão e Egípcio, a dirigir as temporadas musicais da Orquestra Sinfónica do Cairo. As suas tournées internacionais com diferentes orquestras levaram-no por várias vezes aos Estados Unidos, assim como às principais capitais da Europa. Foi diretor musical da Academia Internacional de Portarlier (França) de 1985 a 1992. De 1990 a 1994 foi o maestro principal da Orquestra de Poitou-Charentes.

Em 1994 funda a Associação AIDIMOS (Academia Internacional de Interpretação Musical para Orquestra Sinfónica) em Saintes, França, a qual reúne todos os anos mais de uma centena de músicos de toda Europa, sendo o seu diretor artístico. É, desde 1999, maestro e diretor artístico convidado da Orquestra APROARTE (Associação Nacional do Ensino Profissional de Música e Artes). É frequentemente convidado a dirigir orquestras em toda a Europa.

A crítica tem-se manifestado da forma mais elogiosa acerca da versatilidade e correção das suas atuações, de Mozart a Stravisnski. Dirigiu vários concertos no Festival de inverno de Sarajevo e realizou uma gravação para CD com a orquestra filarmónica desta cidade.

Paralelamente à sua atividade de maestro tem desenvolvido uma intensa atividade pedagógica e realizados diversos cursos de direção de orquestra. Maestro apaixonado pela diversidade de géneros musicais, Ernst Schelle é um pedagogo reconhecido no plano internacional pelos seus trabalhos no domínio da Arte Orquestral.

Orquestra Filarmonia das Beiras

A Orquestra Filarmonia das Beiras (OFB) é composta por 23 músicos de cordas de diversas nacionalidades e com uma média etária jovem e, desde 1999, é dirigida pelo maestro António Vassalo Lourenço. Ao longo da sua existência, a OFB tem sido regularmente dirigida por alguns maestros estrangeiros e pelos mais conceituados maestros em atividade em Portugal e tem colaborado com músicos de grande prestígio nacional e internacional. Simultaneamente, tem procurado dar oportunidade à nova geração de músicos portugueses, sejam eles maestros, instrumentistas ou cantores.

Do repertório da OFB constam obras que vão desde o Século XVII ao Século XXI, tendo a Direção Artística dado particular importância à interpretação de música portuguesa, quer ao nível da recuperação do património musical, quer à execução de obras dos principais compositores do século XX e XXI. Aí se incluem estreias de obras e primeiras audições modernas de obras de compositores dos Séculos XVIII e XIX.

imprimir
tags
evento relacionado
 
outras notícias