conteúdos
links
tags
Campus
Cerimónia de apresentação a 27 de março, no Auditório da Livraria da UA
UA lança Plataforma Tecnológica Multidisciplinar de Alta Pressão
O investigador Jorge Saraiva, coordenador da nova Plataforma da UA
Com o objetivo de dinamizar e catalisar a investigação fundamental e desenvolvimento industrial da aplicação da tecnologia de alta pressão, a Universidade de Aveiro (UA) apresentou a Plataforma Tecnológica Multidisciplinar de Alta Pressão, baseada numa tecnologia que tem suscitado elevado interesse nas últimas duas décadas.

O crescente número de equipamentos a operar industrialmente por todo o mundo é prova deste facto sendo a tecnologia de alta pressão a nova tecnologia de conservação de alimentos com maior crescimento na indústria nos últimos 20 anos. A cerimónia de lançamento da Plataforma, iniciativa integrada no Encontro UA Innovation Clubbing, decorreu no dia 27 de março, no Auditório da Livraria da UA e contou com a presença de vários oradores convidados.

Com esta Plataforma a UA quer posicionar-se como um parceiro de excelência a nível internacional para realizar investigação e desenvolvimento industrial, possuindo um portefólio de três equipamentos de elevada polivalência e abrangência em termos funcionais, incluindo produção para testes de mercado.

A alta pressão é já “um novo paradigma” na conservação dos alimentos porque permite a pasteurização não-térmica de alimentos (sendo mesmo realizada em muitos casos a temperaturas de refrigeração), mantendo as propriedades organoléticas originais dos alimentos, explica Jorge Saraiva, coordenador da nova Plataforma da UA.

O investigador do Departamento de Química e da Unidade de Investigação de Química Orgânica, Produtos Naturais e Agroalimentares da UA lembra que a tecnologia de Alta Pressão no ramo alimentar, para além da aplicação com objetivos de pasteurização, se alarga também ao desenvolvimento de novos produtos alimentares, de que as novas texturas por gelificação a frio são exemplo, e a um novo processo de esterilização térmica assistida por alta pressão. Outra aplicação de sucesso industrial é a extracção da parte comestível de moluscos e crustáceos, mantendo as características de cru destes produtos.

Aplicações na Biotecnologia e na Farmacêutica

Também nas áreas da Biotecnologia e da Farmacêutica a tecnologia de Alta Pressão começa a ser uma realidade cada vez mais presente. Na primeira potenciam-se novos processos fermentativos e catálise enzimática sob alta pressão e novas propriedades de macromoléculas, como é o caso da celulose para produção de papel com características melhoradas. Ainda no campo da Biotecnologia, a Alta Pressão permite também a extração de produtos naturais a frio, nomeadamente farmacêuticos.

Quanto ao ramo da Farmacêutica, a melhoria da atividade de proteínas terapêuticas por folding direcionado e a melhoria de vacinas são algumas das vantagens que a tecnologia de Alta Pressão permite.

Recorde-se que esta é já a quarta Plataforma Tecnológica que a UA constitui. Depois da Agroalimentar, da dos Moldes e da do Mar, a das Altas Pressões constitui mais uma aposta da academia para reforçar a ligação ao tecido empresarial e dar respostas a setores chave da economia nacional. Acompanhadas e apoiadas pela Reitoria da UA através da UATEC, e dinamizadas por equipas multidisciplinares de investigadores e docentes, as Plataformas têm em mãos a missão de desenvolverem projectos de I&D+I, produtos e serviços para as empresas.

Na estratégia destas estruturas surge como prioritário o reforço da ligação da UA ao setor empresarial nas áreas em questão, o reforço da visibilidade das competências da academia em Investigação e Desenvolvimento Tecnológico e a promoção do aparecimento de projetos de investigação aplicada em consórcio, com potencial para originar processos e tecnologias inovadoras que possam ser endogeneizadas pela indústria. 

imprimir
tags
evento relacionado
 
outras notícias