conteúdos
links
tags
Campus
Dias 2 e 3 de Maio
V Simpósio sobre Organização e Gestão Escolar foca Trabalho Docente e Organizações Educativas
O V Simpósio de Organização e Gestão Escolar, a realizar em 2 e 3 de Maio de 2008, pelo Departamento de Ciências da Educação, dá continuidade a uma prática iniciada em 2000. A edição deste ano aborda o «Trabalho Docente e Organizações Educativas», nas vertentes do trabalho do professor-gestor, o trabalho do professor e a organização pedagógica da escola, a avaliação do trabalho docente e os resultados escolares, género e trabalho docente, as representações sociais sobre o trabalho docente e o trabalho do professor em contextos não escolares.

O V Simpósio de Organização e Gestão Escolar dá continuidade a uma prática iniciada no ano 2000, abordando desta vez Trabalho Docente e Organizações Educativas, uma temática que, tendo estado praticamente sempre presente nos simpósios anteriores, nunca fora abordada como merece.

As transformações, quantitativas e qualitativas, que o trabalho docente tem experimentado nos últimos anos são o resultado de múltiplas políticas públicas. Olhar a complexidade das relações e dos desempenhos laborais e profissionais vividos pelos professores nas organizações educativas, sejam elas escolares ou de outro tipo, obriga a convocar para a análise a crise do Estado-Providência e a afirmação do “Estado mínimo”, a globalização política e económica e as lógicas do mercado, a crise demográfica, a necessidade de “novas” racionalidades que orientem o trabalho docente e a organização pedagógica da escola, a resistência à inovação e à mudança nas organizações escolares, a competição pelos melhores resultados escolares, traduzida ou não em rankings.

A análise do trabalho docente convoca saberes multidisciplinares: para além das Ciências da Educação, podemos acrescentar a Sociologia do Trabalho e das Organizações, as Ciências do Comportamento, entre outras. Atendendo a esta pluralidade de perspectivas, estabelecemos os seguintes eixos temáticos a privilegiar no V Simpósio sobre Organização e Gestão Escolar:

i)o trabalho do professor-gestor – em cenários onde a função de gestor escolar se cruza com a de professor, importa conhecer o quotidiano do gestor, as lideranças e as relações micropolíticas que se estabelecem entre actores escolares, órgãos de administração e gestão das escolas, autarquias e administração educativa;

ii) o trabalho do professor e a organização pedagógica da escola – há estruturas e funções típicas da organização pedagógica (coordenação pedagógica, turmas, horários, equipas docentes…) que assentam em soluções construídas e reconstruídas ao longo de dezenas de anos, mas também há “novas” modalidades de organização pedagógica que desafiam em permanência as “velhas” práticas;

iii) a avaliação do trabalho docente e os resultados escolares – a escola e os professores estão sob uma forte pressão decorrente de profundas mudanças sociais como a reforma da administração pública e das carreiras docentes, a crise do modelo tradicional de empregabilidade, a emergência de novas formas de contratualização e de novos parceiros educativos, a maior visibilidade dos resultados escolares e novas práticas de avaliação do trabalho docente;

iv) género e trabalho docente – as mudanças sociais, relacionadas nomeadamente com a alteração dos papéis tradicionalmente atribuídos aos dois géneros, tiveram impacto nas ocupações sociais, em geral, e também nas escolas e no trabalho aí realizado pelos professores e professoras, destacando-se as suas repercussões ao nível da gestão de topo e intermédia, para além, naturalmente, da incontornável problemática da feminização da profissão;

v) representações sociais sobre o trabalho docente – compreender a forma como o trabalho docente é percepcionado pelos vários grupos da sociedade pode proporcionar valiosos contributos para a explicação das dificuldades históricas de afirmação desta ocupação social, mas também da crise actual que afecta a procura da profissão e a própria empregabilidade;

vi) o trabalho do professor em contextos não escolares – face à crise do modelo tradicional, há novos espaços de trabalho dos professores, associados, por exemplo, ao crescimento do fenómeno das explicações; há formas novas de contratualização, mais flexíveis e precárias; há novos actores, como os municípios e organizações da sociedade civil.

 

O programa da iniciativa pode ser consultado em http://www2.dce.ua.pt/vsimposiooge/programa.asp

imprimir