conteúdos
links
tags
Conferências
Dia 17 de junho, das 9h00 às 13h30, na sede da Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva em Beja
Membros do CESAM participam no Dia Mundial de Combate à Desertificação
Membros do CESAM participam no Dia Mundial de Combate à Desertificação
O Dia Mundial de Combate à Desertificação, celebra-se no dia 17 de junho. Com o tema ‘Vamos crescer juntos com o futuro’, e os 25 anos de aplicação da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (CNUCD). Entre os palestrantes, estão Celeste Coelho e Jan Jacob Keizer, dois membros integrados do CESAM, da Universidade de Aveiro (UA), que irão abordar o tema “Ações de proteção e recuperação dos solos em áreas afetadas por incêndios rurais”.

A nível nacional, estas comemorações incluem um evento público, na sede da EDIA - Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva em Beja.

Os primeiros 25 anos da Convenção - Desde a sua adoção em 1994 que se reconhece que a CNUCD tem contribuído de forma relevante para o avanço da gestão sustentável dos solos, ou de uma forma mais abrangente pelo que se designa por terras.

De facto, as suas atuais 197 Partes vêm implementando a Convenção em todo o Mundo, em particular nas zonas áridas, recorrendo a ações coordenadas e orientadas para resultados, com metas claras para recuperar e restaurar as terras degradadas. O seu objetivo último é o de proteger a qualidade das nossas terras, em particular do seu uso excessivo e dos efeitos das secas, para que possam continuar a fornecer-nos a todos alimentos, água e energia.

Sabe-se, contudo, que muito mais necessita de ser feito, o mais urgente possível, antes que seja tarde. Pois as pressões atuais sobre as terras são enormes e pensa-se que continuarão inexoravelmente a aumentar com o contínuo crescimento e necessidades da população mundial. As recorrentes e crescentes ameaças dos incêndios florestais, das ondas de calor, das migrações populacionais em massa, das inundações, das subidas do nível dos mares, das insuficiências na segurança alimentar e no acesso a água potável são as suas causas / efeitos mais evidentes e reconhecidos.

Os próximos decénios - A importância e urgência de enfrentar os desafios assinalados são agora mais amplamente reconhecidos do que eram há duas décadas atrás, como se demostra aliás na adoção nos atuais Objetivos do Desenvolvimento do Sustentável das Nações Unidas (Agenda 2030) do princípio que visa atingir a neutralidade de degradação das terras (ODS 15.3).

As Partes da CNUCD deverão, pois, definir metas por país até 2020 e prosseguir as suas iniciativas para atingir a neutralidade da degradação das terras até 2030, contribuindo ainda para um Mundo para lá deste limiar em que a neutralidade / reversão da degradação das terras estabeleça um ambiente propício para o bem-estar das pessoas, comunidades e países, para criar riqueza e crescimento das economias, assegurando também suficiente alimento, água potável e energia.

Comemorações nacionais - As comemorações nacionais do DMCD 2019 em Portugal foram programadas para serem centralizadas em Beja, com organização conjunta da CNCCD –Comissão Nacional de Coordenação de Combate à Desertificação e da SPCS – Sociedade Portuguesa de Ciência do Solo, na sede da EDIA - Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva, contando também com o apoio do IPB – Instituto Politécnico de Beja.

As iniciativas específicas para comemorações do DMCD 2019 e dos 25 Anos da Convenção incluirão em Portugal o seguinte conjunto de intervenções, a realizar na manhã de dia 17 de junho:

9:00 – 9:30: Receção de participantes nos eventos no Auditório da EDIA;

9h30 – 10:00: Abertura dos trabalhos pelas Direções da CNCCD (ICNF), SPCS, EDIA e IPB.

10h00 – 10h30 – Intervenção do Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Professor Miguel Freitas;

10h30 – 12h30 - Painel técnico-científico, moderado pela Prof.ª Maria José Roxo (UNL – FCSH):

10h30 – 10h50 - “Projeto de operacionalização e desenvolvimento do Observatório Nacional de Combate à Desertificação” - Prof. Miguel Castro Neto, do IMS - UNL;

10h50 – 11h10 - “Compromissos para a investigação e a inovação no combate à desertificação” – representante do Centro de Competências na Luta Contra a Desertificação – Eng.º Pedro Reis do CCLCD / INIAV);

11h10 – 11h30 - “A Parceria Portuguesa para o Solo no quadro dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” – Professor Manuel Madeira (ISA e PPS) e Eng.º António Perdigão (DGADR e PPS).

11h30 – 11h40 – Intervalo para café

11h40 -12h00 - “Ações de proteção e recuperação dos solos em áreas afetadas por incêndios rurais” – Professores Celeste Coelho e Jan Jacob Keizer, da Universidade de Aveiro;

12h00 – 12h20 - “O regadio na transformação da paisagem no Alentejo – Questões chave identificadas na Conferência de Alvito (9 abril)” – Dr.ª Lília Fidalgo (CCDRAlentejo) e Arqto. José Luís Faustino (Dir Reg ICNF Alentejo), do Núcleo Regional de Combate à Desertificação do Alentejo.

12h30 – 13h00 – Intervenção do Secretário de Estado da Valorização do Interior, Eng.º João Catarino.

13h00 – 13h30 – Questões da Assistência e Discussão das Comunicações do painel técnico-científico

13h30 – Encerramento da Conferência.

13h45 – Almoço para convidados e inscritos para o mesmo.

As inscrições no DMCD 2019 são gratuitas, mas obrigatórias, independente dos custos exigidos para a EACS 2019, onde a assistência simples é também facultada.

As inscrições para participação no DMCD devem ser enviadas até ao final do dia 13 de junho para dpai@icnf.pt, indicando para cada interessado: nome; instituição representada e respetivas funções, telefone e e-mail.

imprimir
tags
ficheiros associados
outras notícias