conteúdos
links
tags
Entrevistas
Professores UA – Fernanda Rodrigues, Departamento de Engenharia Civil
“Engenharia Civil não é apenas obra ou projeto, é muito mais!”
Fernanda Rodrigues:
A diretora do Mestrado Integrado em Engenharia Civil da Universidade de Aveiro lembra que “o contributo dos Engenheiros Civis para o progresso social, económico e cultural é muito elevado, sendo uma profissão de confiança pública, dado que são os responsáveis pela segurança na utilização de qualquer edificação”. Fernanda Rodrigues considera que a formação (na UA) é “muito boa”, como o atestam as avaliações quer da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), quer a atribuição do selo EUR-ACE, quer o mercado.

Como define um bom professor? Qual o segredo para se ser bom professor?

O professor tem como principal objetivo o ensino/aprendizagem dos seus alunos. Num mundo em constante evolução, deve estar atento à exigência de novas competências, sendo essencial que fomente nos seus alunos o gosto pela procura e aquisição das mesmas, contribuindo para o desenvolvimento do respetivo perfil profissional e pessoal. O setor da construção enfrenta, atualmente, grandes desafios de inovação, internacionalização e de competitividade, pelo que, os seus profissionais em geral, e os Engenheiros Civis em particular, têm que estar preparados para lhes responder e contribuir para o seu desenvolvimento.

A Engenharia Civil pertence aos domínios mais antigos da atividade Humana, sendo a sua ação fundamental para o progresso social, económico e tecnológico, e o crescimento constante da importância do papel da Engenharia Civil no futuro é uma certeza.

Em consequência do progresso da Ciência da Construção, presenciamos domínios extraordinários da Engenharia Civil, quer no âmbito da construção nova, quer no âmbito da reabilitação e manutenção (edificações correntes a patrimoniais, pontes, túneis, barragens, estádios, infraestuturas, etc.), quer no âmbito de novas tecnologias e materiais, lado a lado com construções não tão espetaculares (edifícios residenciais, industriais, de comércio e serviços, infraestruturas urbanas, etc.), mas de importância fundamental, quer social, quer económica, quer ambiental, que representam o “trabalho diário dos Engenheiros Civis”.

O que mais a fascina na profissão docente?

Desde que me lembro, sempre gostei de ensinar. O que mais me fascina é o contacto com os alunos, acompanhar a sua evolução, primeiro como alunos e, posteriormente, como profissionais de sucesso. O seu sucesso é a minha maior realização.

Como qualifica a formação que é dada aos estudantes no(s) curso(s) a que está ligada?

A formação é muito boa, como o atestam as avaliações da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), do European Network for Engineering Acreditation que atribuiu o selo EUR-ACE, em 2012, ao Mestrado Integrado em Engenharia Civil, bem como dos empregadores dos nossos graduados. No entanto, procuramos fazer sempre melhor, inovando, estando atentos às necessidades do mercado. Estas preocupações levaram recentemente à reformulação das Unidades Curriculares de Opção do 5º ano do MIEC e à promoção do contacto com o ambiente empresarial.

Sendo os Engenheiros Civis os responsáveis pela segurança na utilização de qualquer edificação, torna o exercício da Engenharia Civil uma profissão de confiança pública, pelo que, o progresso desta é impossível sem a atividade dos Engenheiros Civis, baseada na sua educação, conhecimento científico, tecnológico, profissional e experiência.

Se lhe fosse pedido um conselho dirigido aos alunos, que conselho daria?

Que analisem em profundidade as causas dos problemas para que possam encontrar a solução correta para a sua resolução. Que invistam sempre na sua formação, na inovação, com um espírito aberto ao conhecimento. Os Engenheiros Civis ocupam os mais diversos cargos nas mais variadas áreas, tendo um diversificado campo de atuação. Engenharia Civil não é apenas obra ou projeto, é muito mais, é gestão, é sustentabilidade, é património, é investigação…..Alerto-os para a necessidade de aquisição de mais e mais diversificadas competências. Aconselho-os a que lutem sempre pelo que querem, pelo que realmente querem.

Houve alguma turma/grupo de alunos/aluno que mais a tivesse marcado? Porquê?

O que mais me marca é quando os alunos referem a importância da minha forma de agir, do meu relacionamento com eles e em que é que isso os ajudou pessoalmente.

Pode contar um episódio curioso que se tenha passado em contexto de sala de aula, ou com estudantes (constrangimento/situação agradável)?

Todos os alunos são importantes, claro que há alguns com quem interagimos mais e aqueles que ficam mesmo como amigos, aqueles que, mesmo depois de saírem da UA, telefonam, vêm ao Departamento, mantêm laços estreitos.

 

descrição para leitores de ecrã
"Aconselho-os (alunos) a que lutem sempre pelo que querem, pelo que realmente querem."

IMPRESSÃO DIGITAL

Traço principal do seu carácter

Persistência, responsabilidade, curiosidade.

Ocupação preferida nos tempos livres

Ler, tentar descansar.

O que não dispensa no dia-a-dia

Manter-me mínimamente informada.

O desejo que ainda está por realizar

Viajar sem ser em trabalho.

imprimir
tags
outras notícias