conteúdos
links
tags
Entrevistas
Pessoas UA: Cândido Casqueira é assistente técnico no Departamento de Química
"Gosto muito de estar ao serviço dos outros e de os ajudar!"
Cândido Casqueira
Trabalha na Universidade de Aveiro (UA) há quase 24 anos. Cândido Casqueira é assistente técnico no Departamento de Química e é Gafanhão de nascença. Vive na Gafanha da Nazaré desde sempre. Nos seus tempos livres não para. Gosta de cultivar o seu quintal e cuidar do jardim, tem uma banda de música com o nome "LaDo Mar". Faz peças de artesanato. É praticante assíduo na Paróquia da Sagrada Família da Praia da Barra, está ligado ao Grupo Desportivo e à Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha da Nazaré. Gosta do contacto com os estudantes, é comunicativo, está sempre pronto a ajudar os outros e revela-se um amante da área de Eletrónica e Eletrotecnia.

Em que circunstâncias começou a trabalhar na UA?

Vim para a UA porque era um lugar onde tinha um emprego estável. Trabalho na UA quase há 24 anos.

Como tem sido o seu percurso na UA?

Comecei nos Serviços Técnicos como Técnico Auxiliar de 2ª Classe, área de Eletrotecnia, estive lá sete anos. Depois vim para o Departamento de Química que é onde tenho estado até aos dias de hoje.

Que funções desempenha no Departamento de Química?

Apesar de ser assistente técnico na área de Eletrónica e Eletrotecnia, faço um pouco de tudo. Dou apoio aos laboratórios e aos equipamentos laboratoriais, reparando/consertando quase todo o tipo de aparelhos e instrumentos científicos. Pontualmente, projeto e executo pequenas instalações elétricas com a chegada de novos equipamentos e colaboro em experiências de estudo, partilhando o meu "know-how" técnico-prático. Zelo também pelas infraestruturas, faço manutenção em vários domínios e procedo a diversas vistorias aos edifícios que me estão confiados.

descrição para leitores de ecrã
Cândido exerce funções no Departamento de Química, entre elas, o apoio aos laboratórios e aos equipamentos laboratoriais, reparando/consertando quase todo o tipo de aparelhos e instrumentos científicos

Se tivesse a oportunidade de escolher outra profissão, qual seria?

Vim de uma família de onze irmãos, comecei muito cedo a trabalhar. Já tive vários trabalhos. Fui professor de Trabalhos Manuais e Oficinais na área de Eletrotecnia, fui agricultor, músico, trabalhei na Lota e construção civil, fui fiel de armazém e eletricista por vários períodos. Gosto muito de estar ao serviço dos outros e de os ajudar. Gosto do contacto com os alunos, sou muito comunicativo. Admiro as pessoas e tento ser agradável com todos.

O que faz nos seus tempos livres?

Na vertente pessoal cultivo o meu quintal e trato do meu jardim. Sou vocalista e músico. Fui cofundador do ex-Grupo Musical Sequência, uma banda de música universal e generalista. Mas atualmente estou numa banda chamada "LaDo Mar" que tem cerca de 8 anos, embora o nome tenha surgido mais tarde.

Na vertente social já tive vários cargos, mas atualmente sou Secretário da Assembleia Geral do Grupo Desportivo da Gafanha, sou Secretário da Assembleia Geral da ADIG-Associação para a Defesa dos Interesses da Gafanha da Nazaré e ainda Dirigente Sindical.

Na vertente religiosa, sou membro do Conselho Pastoral, faço parte da animação litúrgica, sou salmista, estou ligado à Paróquia da Sagrada Família da Praia da Barra. Sou membro de um grupo de Madrugadores de Schoenstatt (quinzenalmente, rezamos durante uma hora e depois vamos tomar o pequeno almoço), é um bom convívio.

No vertente futebol, somos a par de dois, os únicos clubes da Associação Futebol de Aveiro, legalmente consagrados como Clubes Formadores. Temos cerca de 700 atletas nas mais diversas atividades como: futsal, futebol de formação e sénior, basquetebol e atletismo.

descrição para leitores de ecrã
Nos seus tempos livres Cândido cultiva o seu quintal semeando e tratando de vários produtos hortícolas

Em que género musical está inserida LaDo Mar? 

É um quarteto onde três elementos tocam viola portuguesa acústica e um quarto elemento toca percussão, o chamado "Cajón". A música é de âmbito variado e alargado, não propriamente religioso mas que transmite mensagem, valores e exemplos da vida. Absorve um espetro muito grande do universo musical, desde o fado, passando pelas baladas, country music, slow rock, mornas, brejeiras, sem esquecer algumas de intervenção.

Em que influências se baseiam?

Eu diria que a única influência que temos, é o gosto por esta ou aquela música, que gostamos de interpretar, à nossa maneira, como é óbvio. São todas versões do original, com o nosso cunho muito particular.

descrição para leitores de ecrã
Cândido do lado direito com o quarteto LaDo Mar. Tocam música ligeira, sobretudo voltada para a canção que transmite mensagem, alores e exemplos da vida

Em que tipo de espetáculos atuam?

Todos os espetáculos em que tocamos são gratuitos. Participamos em festas da terra e arredores, festas de angariação de fundos, lançamento de livros e em pequenas feiras.

Tem saudades de algum momento vivido na UA?

Quando vim para a UA, a comunidade era pequena, haviam encontros e convívios entre colegas. A Associação de Funcionários da Universidade de Aveiro (AFUAv), organizava passeios de enoturismo, visitávamos caves de vinho e fazíamos provas dos mesmos. Era um dia formidável. Sinto saudades deste convívio!

Existe alguma história que tenha marcado e que gostasse de partilhar?

Quando fiz parte do Grupo Musical Sequência, fomos atuar no norte da Alemanha para emigrantes portugueses, e não só. Tinhamos já conduzido dezenas de kilómetros após deixar a cidade de Colónia. E aqui aconteceu-nos um caso hilariante.

Era eu que conduzia a carrinha, mas nem eu, nem os meus colegas sabíamos uma palavra em alemão. Comecei a achar estranho ver uma placa de indicação que nos surgia há bastantes kilómetros. Pensando estar enganado no trajeto, comentei com os eles se não seria a indicação de alguma cidade de área enorme.

Como não sabíamos, conduzi mais alguns kilómetros e deixei a autoestrada. Quando encontrei a indicação da cidade de Dortmund. Azar! Chegámos em hora de ponta e atrasámos a viagem em cerca de duas horas.

Quando nos encontrámos com os emigrantes em Cuxhaven, tentámos perceber o significado da tal placa, que tinha escrito AUSFAHRT. Ficamos então a saber que significava tão somente, como SAÍDA. Neste caso, saída da autoestrada (ou de rota) que era isso que pretendiamos. Foi um episódio que teve a sua graça e que ainda hoje me recordo!

Um dia vou…

Tentar ajudar mais os outros, do que aquilo que fiz até aqui.

________________________________________________________________________

A série #PessoasUA pretende mostrar as estórias e vivências das pessoas que fazem a comunidade UA. Se conhece alguém que deva estar aqui retratado, envie-nos uma mensagem para noticias@ua.pt com as suas dicas.

imprimir
tags
outras notícias