conteúdos
links
tags
Cultura
Exposição patente no Museu de Aveiro/Santa Joana de 21 de setembro a 14 de outubro
Museu de Aveiro recebe exposição de bronzes da China antiga promovida pelo Instituto Confúcio da UA
Bronzes da antiga China em exposição no Museu de Aveiro/Santa Joana
São 24 peças de bronze associadas a diversas cerimónias e rituais, de diferentes épocas da China antiga, que vão estar patentes no Museu de Aveiro/Santa Joana de 21 de setembro a 14 de outubro. Trata-se de uma coleção de Paulo Sá Machado, que tem vindo a circular pelo país e se apresenta agora em Aveiro por iniciativa do Instituto Confúcio da Universidade de Aveiro (IC-UA) e do Museu. Esta´iniciativa, com a exposição "Uma Faixa, uma Rota", assinala o Dia Internacional dos Institutos Confúcio, a 28 de setembro.

Um dos exemplos mais curiosos são os vasos Jue, da Dinastia Shang (cerca de 1700 a 1050 a.C.), em forma de U e suportados por três pés, vasos rituais para vinhos que derivam de um protótipo Neolítico de terracota. Constituem os mais antigos recipientes de bronze destinados a oferendas.

Num artigo de W. Speiser e E.V. Erdberg-Consten (“Extremo Oriente”, (Lisboa: Verbo, 1969), citado por Paulo Sá Machado, explica-se: “Os bronzes sagrados da Antiguidade Chinesa oferecem apenas um limitado conjunto de tipos e de formas. Desprende-se deles uma grande força, que torna diretamente percetível o significado religioso e que frequentemente dá uma impressão de monumentalidade fascinante”.

Sobre algumas das peças mais antigas, o comissário da exposição, Paulo Sá Machado, salienta aspetos mais distintivos das peças. “Cerca do ano 1000 a.C., surge uma novidade marcante. A forma exterior dos bronzes não se modifica e conserva-se a alta qualidade artesanal da execução, sendo possível encontrar-se ainda agora inscrições nos fundos e nas tampas. Trata-se quase sempre de uma homenagem feudal ou de uma elevação a um plano social superior. O dia e o mês são quase sempre indicados com exatidão. Também é nestas inscrições que pela primeira vez aparece o título de “Filho do Céu” aplicado ao soberano chinês”.

A exposição é composta por 24 peças de bronze, dos tipos Gui, Gu, Jue, Ding, He, Xu, Yi, FangYi, Xu e BosHanLu. Peças usadas nas dinastias Shang (cerca de 1700 a 1050 a.C.), Zhou (1045-771 a.C.) e Han ((206 a.C. a 220).

imprimir
tags
evento relacionado
 
outras notícias