conteúdos
links
tags
Distinções
Distinção atribuída no 1ª edição do Prémio IBBVA de Pensões
Menção honrosa para dissertação “Literacia financeira em jovens do ensino secundário” defendida na UA
Ana Barros e Elisabete Vieira foram distinguidas com uma Menção Honrosa
A dissertação intitulada “Literacia financeira em jovens do ensino secundário” apresentada por Ana Barros, que concluiu o mestrado em Contabilidade na Universidade de Aveiro (UA), mereceu a Menção Honrosa na 1ª edição do Prémio IBBVA de Pensões, no âmbito da conferência organizada pelo banco BBVA. O encontro científico decorreu a 4 de julho, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, sob o tema “As pensões, os hábitos de poupança e o perfil do aforrador em Portugal”. A dissertação decorreu sob orientação de Elisabete Vieira, professora do Instituto Superior de Contabilidade e Administração da UA.

O estudo concluiu que os estudantes dos cursos mais próximos da área financeira, cujos pais têm maior grau de ensino, que têm planos escolares, profissionais ou remuneratórios mais elevados e com maior experiência em lidar com produtos financeiros (contas bancárias), têm maior nível de literacia. Verificou-se uma relação positiva entre o nível de literacia financeira global e a fonte de conhecimentos (comunicação social), alta ambição profissional, ambição remuneratória, ausência de experiência profissional e curso na área das Ciências e Tecnologias. O nível de conhecimentos financeiros geral obtido é médio, mas próximo de baixo.

Este trabalho teve como principal objetivo determinar o nível de literacia financeira dos estudantes do Ensino Secundário, bem como identificar os fatores que o influenciam, nomeadamente género, ano de escolaridade, curso frequentado, rendimento familiar, educação dos pais, ambição escolar, ambição profissional, ambição remuneratória, fonte de conhecimentos financeiros, formação específica, titularidade de conta bancária, utilização de cartão de débito e experiência profissional.

O nível de literacia financeira foi igualmente analisado de acordo com quatro categorias: Poupança e Investimento, Rendimento, Gastos e Endividamento e Gestão de Dinheiro. Para tal, foi levado a cabo um questionário junto de estudantes de uma escola do Ensino Secundário, de Aveiro, tendo sido obtidos 410 questionários válidos.

Considerando as diferentes categorias, aquela que obteve melhores resultados no nível de literacia foi a de Poupança e Investimento, seguida de Rendimento, Gastos e Endividamento, e, por último, Gestão de Dinheiro. Este trabalho representa um contributo nesta área, perante a escassez de estudos realizados sobre a população jovem em Portugal, relativos aos conhecimentos financeiros.

O estudo da literacia financeira em jovens do secundário foi motivado pela evidência empírica, essencialmente noutros países, de que o nível de conhecimentos financeiros neste público alvo é reduzido, o que de facto se veio a verificar, explica Elisabete Vieira.

A orientadora da dissertação e professora do ISCA-UA considera que, “embora a evidência de baixa literacia financeira entre os indivíduos das diferentes faixas etárias, conforme constatados em estudos levados a cabo por diversas instituições portuguesas, como o Banco de Portugal e o Instituto BBVA de Pensões, na prática poucas ações têm sido desenvolvidas a fim de sensibilizar os jovens para a importância das questões financeiras, como sejam a transmissão de noções básicas financeiras, o controlo de despesas e a gestão de um orçamento”.

“Parece-me fundamental que estes conceitos sejam introduzidos em disciplinas do ensino secundário, a fim de dotar os jovens de conhecimentos financeiros capazes de os ajudar nas suas tomadas de decisões financeiras nas diferentes fases da vida, e sensibilizar, por exemplo, para a necessidade de planear a reforma”, salienta.

 

imprimir
tags
outras notícias