conteúdos
links
tags
Entrevistas
Antigo aluno UA - Pedro Costa, licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação
Comunicar, comunicar, comunicar sempre!
Pedro Costa
Há paixões e paixões. A de Pedro Costa pela comunicação é arrebatadora. Licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação (NTC) pela Universidade de Aveiro (UA), começou aos 15 anos pelas rádios locais e foi jornalista do Jornal da Bairrada e do Jornal de Notícias. Professor, formador e criador da empresa Mais Buzz, Pedro Costa é hoje, aos 49 anos, uma referência quando o assunto é o Marketing Digital.

Terminou a Licenciatura em NTC  do Departamento de Comunicação e Arte em 2009. Seguiu-se uma pós graduação em Marketing Digital no IPAM – Porto e o regresso à UA, mais concretamente ao Instituto Superior de Contabilidade e Administração onde está, atualmente, a concluir o Mestrado em Marketing.

Tem três quartos da vida intimamente ligados à comunicação. Aos 15 anos entrou no “mundo fascinante” das rádios locais e, nos tempos livres, da Banda do Cidadão, um sistema de comunicações individual de curta distância via rádio que lhe permitia comunicar com pessoas de toda a Europa.

Anos mais tarde, descobriu o mundo do jornalismo e, em particular, da imprensa escrita. Foi jornalista do Jornal da Bairrada e do Jornal de Notícias. Antevendo os novos desafios comunicacionais que o futuro guardava, em dezembro de 1999 encabeçou o primeiro projeto noticioso online no distrito de Aveiro, já preparado para difundir áudio e vídeo, numa altura em que nem sequer existia o Youtube. Contudo, recorda, “sentia que me faltavam conhecimentos mais técnicos e estratégicos, pelo que o ingresso na Licenciatura em NTC, acabaria por mudar por completo o meu trajeto profissional, embora sempre na área da comunicação”.

Acabou por abandonar mais tarde o jornalismo e seguir os caminhos do Marketing Digital, “sempre na perspetiva de comunicar de forma assertiva”. Fundou a empresa Mais Buzz – Marketing Digital e acumula ainda a vertente estratégica de uma das maiores lojas de vendas de shampoos online em Portugal, assim como a formação e a docência.

descrição para leitores de ecrã
Ainda o Youtube era uma ficção e já Pedro Costa, em 1999, tinha criado o primeiro projeto noticioso online no distrito de Aveiro, já preparado para difundir áudio e vídeo.

Quais os motivos que o levaram a estudar na UA?

Fundamentalmente a procura de novas competências técnicas e estratégicas, numa Universidade de referência na área tecnológica.

O curso correspondeu às suas expectativas?

Completamente. Tenho defendido, por diversas vezes, em público, que a Licenciatura em Novas Tecnologias da Comunicação fornece um conjunto de competências muito difíceis de serem obtidas em outras instituições. E isto porque consegue juntar num único plano curricular diversas áreas fundamentais do contexto tecnológico e comunicacional.

E a UA?

Bem! A UA figurará para sempre na minha lista de boas recordações, não só pelos conhecimentos que me transmitiu, mas sobretudo pela abertura de horizontes que me permitiu. A UA é um Campus que pensa e que se esforça por colocar os seus alunos também a pensar.

O que mais o marcou na UA?

Quando falamos de episódios que nos marcam, podemos pensar nos menos bons ou naqueles que, de alguma forma, nos marcaram pela positiva. Dos primeiros (muito poucos e mais associados à dificuldade que um trabalhador estudante enfrenta quando resolve recomeçar a estudar do que à UA) não guardo recordações; dos segundos, destaco claramente a descoberta de novas realidades e horizontes e o rigor colocado em cada ensinamento. E destes momentos, recordo-me, logo de imediato, da grande exigência da professora Margarida Pisco Almeida.

Mais recentemente, como aluno de Mestrado em Marketing da UA, ficou-me marcada a realização das edições de 2014, 2015 e 2016 das Conferências de Marketing da UA – Atualiza.te, em que assumi a responsabilidade da comunicação. Conferências que, em 2013, tinham mergulhado, diria, num abismo e que hoje são uma referência em Portugal.

descrição para leitores de ecrã
Formador e docente, Pedro Costa garante que herdou “a exigência e o rigor” que lhe foram incutidos durante a Licenciatura em Novas Tecnologias da Comunicação

Sempre soube a profissão que queria seguir?

A partir do meu 9.º ano, sim. Até lá ainda voava nos sonhos de seguir as pegadas do meu pai e enveredar pela Força Aérea.

Como descreve a sua atividade profissional?

Exigente. Muito exigente. Seja a partilha de conhecimento, na formação e na docência, seja a responsabilidade de saber que, se a estratégica de marketing digital que defini para determinado projeto falhar, poderei colocar em causa a venda e os lucros da empresa ou, em última instância, os próprios postos de trabalho.

O que mais o fascina na sua atividade profissional? O facto de saber que a estratégia de comunicação definida por mim me permite enviar mensagens assertivas e eficazes a determinado público-alvo, que o farão agir exatamente de acordo com o planeado.

Que competências adquiridas na UA entende terem sido fundamentais para o exercício da sua atual atividade?

A diversidade do plano curricular da Licenciatura em Novas Tecnologias da Comunicação permitiu-me, atualmente, ser multifacetado nas tarefas que desempenho, o que se traduz numa menor dependência de terceiros. Ou seja, tanto consigo olhar para uma linha de código, como de seguida edito e trato uma fotografia ou escrevo um mini guião para filmar e posteriormente editar o vídeo. Por outro lado, enquanto formador / docente, acabei por herdar a exigência e o rigor que me foram incutidos durante a licenciatura.

imprimir
tags
outras notícias