conteúdos
links
tags
Ensino e Formação
Ano letivo 2017-2018 nas unidades de ensino politécnico da UA
Finalistas de CTeSP/UA estreiam-se no mercado de trabalho
UA disponibiliza 14 CTeSP para o ano letivo 2017-2018
A primeira pergunta que os diretores de curso fazem ao estudante após a formação em sala de aula de um Curso Técnico Superior Profissional (CTeSP) na Universidade de Aveiro (UA) é: “Onde gostaria de estagiar?”. O estágio segue um plano de trabalhos definido e articulado com as necessidades da entidade de acolhimento, no âmbito de atividades que se enquadram nos objetivos principais de cada curso. Um número significativo de finalistas destes cursos superiores de três Escolas Politécnicas da UA (ESTGA, ESAN, ISCA-UA) estreiam-se este ano no mercado de trabalho. E as perspetivas são boas!

Os CTeSP da UA procuram colmatar a necessidade de técnicos das empresas da região nas áreas de formação dos respetivos cursos, fixando população habilitada e contribuindo, por isso mesmo, para o desenvolvimento socioeconómico da região.

A identificação das áreas de formação e perfis profissionais dos CTeSP nas escolas politécnicas estão alicerçados nas necessidades do tecido empresarial da região onde cada escola se insere. A criação deste tipo de formação foi feita em articulação com as entidades parceiras, nomeadamente autarquias, associações empresariais e empresas de diversos setores de atividade económica. O projeto educativo de cada escola também contribui para a planificação deste tipo de oferta uma vez que possibilita o prosseguimento de estudos no ensino superior politécnico na UA.

Os primeiros diplomados dos CTeSP da UA, um projeto piloto que colocou três cursos em funcionamento no ano letivo 2014/2015, concluíram a sua formação há cerca de um ano tendo, entretanto, muitos deles ingressado no mercado de trabalho ou prosseguido estudos no ensino superior. No ano letivo 2015/2016 os CTeSP/UA entraram em pleno funcionamento com a oferta de 14 cursos, cujos finalistas já terminaram os seus estágios e estão a entrar no mercado de trabalho.

As Escolas Politécnicas onde estes cursos são ministrados têm encontrado uma grande recetividade por parte das empresas em acolher estagiários. Em algumas áreas, o número de estudantes chega mesmo a não ser suficiente para dar resposta às solicitações. Este ano, mais de uma centena de finalistas foram colocados em estágio, muitos dos quais já foram contratados pelas entidades de acolhimento.

A estreita articulação com a realidade socioeconómica da região e a coordenação com as necessidades de trabalho e de gestão das empresas, em simultâneo com a qualidade da formação lecionada, são fatores apontados pelos Professores Dina Seabra, Fernando Costa e Violeta Clemente, da Comissão de Gestão dos CTeSP da UA, para estes bons resultados.

A oferta formativa para 2017/2018, por escola, é a seguinte:

 

ESAN:

automação robótica e informática industrial

(regime pós-laboral)

desenvolvimento de software

(regime diurno)

design de produto

(regime diurno)

gestão de processos industriais

(regime pós-laboral)

projeto de moldes

(regime pós-laboral)

sistemas mecatrónicos e de produção

(regime pós-laboral)

 

ESTGA:

gestão de PME

(regime diurno)

instalações elétricas e automação

(regime pós-laboral)

manutenção industrial

(regime diurno)

programação de sistemas de informação

(regime pós-laboral)

redes e sistemas informáticos

(regime diurno)

tecnologia mecânica

(regime pós-laboral)

 

ISCA-UA:

gestão aplicada ao desenvolvimento de produtos turísticos

(regime diurno)

gestão de vendas e marketing

(regime pós-laboral)

Mais informações: http://www.ua.pt/ensino/entrada

imprimir
tags
outras notícias