conteúdos
links
tags
Distinções
App resultado de doutoramento em Multimédia e Educação da UA foi distinguida
Happy foi finalista do Prémio PT Inovação e acede ao programa Born from Knowledge IDEAS
O investigador Nuno Ribeiro
O projeto Happy, primeira aplicação portuguesa para prevenir o cancro, desenvolvida no âmbito de uma tese doutoramento em curso na UA, foi finalista do prémio PT Inovação 20017. Embora não tenha vencido o concurso, como finalista o projeto acede automaticamente ao programa de imersão do concurso Born from Knowledge IDEAS, da Agência Nacional de Inovação (ANI).

A aplicação Happy foi desenvolvida por Nuno Ribeiro, investigador da Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto, no âmbito do Doutoramento em Multimédia e Educação lecionado nos departamentos de Comunicação e Arte (DeCA) e de Educação e Psicologia da UA. A orientação coube a Ana Margarida Almeida, docente do DeCA/Digimedia da UA, e Filipe Santos Silva, um dos coordenadores da Unidade de Comunicação do i3S. No âmbito desse trabalho a aplicação foi testada por 32 voluntários durante um mês, tendo-se revelado eficaz.

Na app Happy, acrónimo de “Health Awareness and Prevention Personalized for You”, o utilizador encontrará o seu HappyScore, um valor que ilustra em tempo real o nível de prevenção de cancro individual, desafios saudáveis e a possibilidade de se ligar aos seus amigos para partilha de resultados. Instalada no telemóvel, a aplicação avisa e recomenda práticas de prevenção, com base em vários fatores como a informação que o utilizador dá sobre os seus comportamentos e a georeferenciação. Se o utilizador estiver na praia durante o dia, por exemplo, recebe recomendações para se proteger do sol, ou se estiver no supermercado, a Happy vai sugerir a compra frutas e vegetais frescos.

Este trabalho de Nuno Ribeiro foi recentemente divulgado no programa “90 segundos de ciência” da Antena 1 (https://www.rtp.pt/play/p2936/e291397/90-segundos-ciencia - emissão de 6 de junho).

Para além da aplicação Happy, foram também finalistas do prémio PT Inovação, os projetos NeuroPsyCAD e Found Vet. O vencedor foi o projeto NeuroPsyCAD, plataforma de apoio ao diagnóstico de doenças neuropsiquiátricas.

imprimir
tags
outras notícias