conteúdos
links
tags
Distinções
Nádia Santos e Cátia Santos no mais famoso concurso de comunicação de ciência do mundo
Alunas da UA entre os finalistas do Famelab
Nádia Santos e Cátia Santos
Nádia Santos e Cátia Santos, da Universidade de Aveiro (UA), estão entre os 12 finalistas do FameLab, o mais famoso concurso de comunicação de ciência do mundo. As estudantes, respetivamente, do Mestrado em Biotecnologia Molecular e do Doutoramento em Biologia, vão estar presentes na final nacional que terá lugar no dia 14 de maio, às 16h00, no Pavilhão do Conhecimento - Centro Ciência Viva, no Parque das Nações, em Lisboa.

Com o título "O mergulhador e o paradoxo do oxigénio", a mestranda vai explicar a origem das alucinações de alguns mergulhadores que referem ter avistado sereias e monstros marinhos.

Nádia Santos nasceu em 1993 em Torres Vedras, morando já há alguns anos na cidade de Espinho. Ingressou na Licenciatura em Bioquímica, em 2011, encontrando-se no momento a terminar o Mestrado em Biotecnologia Molecular.

A sua dissertação, desenvolvida sob orientação de Susana Braga e Vera Silva, da Unidade de Investigação de Química Orgânica, Produtos Naturais e Agroalimentares do Departamento de Química (QOPNA) da UA, incide sobre a síntese de compostos com atividade antioxidante e anti tumoral. A aluna da UA tem vindo a trabalhar, também, em parceria com a Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, em testes de compostos em linhas celulares tumorais.

Já Cátia Santos vai apresentar o trabalho "Nem tudo o que vem à rede (ou ao bico) é peixe", uma metáfora para explicar como é que através do que comemos podemos ficar expostos a contaminantes, tais como o mercúrio. Nascida em Aveiro em 1988, Cátia Santos inicie o percurso universitário em 2006, quando ingressou na Licenciatura em Biologia da UA e onde concluiu, em 2012, o Mestrado em Biologia Aplicada.

Neste momento está a terminar o doutoramento em Biologia, na Universidade de Gent (Bélgica), com co-orientação de Susana Loureiro e Marta Monteiro, do Departamento de Biologia da UA e Centro de Estudos do Ambiente e do Mar  (CESAM) da UA. No seu trabalho estuda de que forma a variabilidade e comportamento alimentar de gaivotas adultas se relaciona com o mercúrio acumulado e transferido para as crias durante a reprodução, bem como os efeitos que isso tem no desenvolvimento e saúde das crias.

Criado em 2005 pelo Cheltenham Science Festival, no Reino Unido, o FameLab está atualmente presente em mais de 30 países de todo o mundo, sendo organizado em Portugal pela Ciência Viva, pelo British Council e pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Neste concurso os candidatos têm apenas três minutos para apresentar um tema científico à sua escolha, sem qualquer apoio de audiovisuais. O conteúdo da apresentação, a clareza com que o tema é apresentado e o talento demonstrado constituem os critérios fundamentais de avaliação pelo júri, que na final será composto por Carlos Fiolhais, João Caraça, Jonathan Howard e Ana Armada-Moreira (vencedora da edição de 2016).

Os 12 finalistas irão competir entre si para representar Portugal na final internacional, que terá lugar de 6 a 11 de junho, no Cheltenham Science Festival.

Mais informações sobre o FameLab Portugal podem ser consultadas na página da Ciência Viva e do Facebook.

 

imprimir
tags
outras notícias