conteúdos
links
tags
Investigação
I Workshop sobre a Pesca Recreativa no Litoral Ibérico Atlântico decorreu na Galiza
Especialistas internacionais recomendam mais conhecimento sobre a pesca recreativa marítima
Cientistas querem estudar pesca recreativa marítima
É urgente conhecer melhor a pesca recreativa na costa Atlântica Ibérica através da recolha de dados ecológicos, sociais e económicos. Quem o afirma é um grupo de 40 especialistas internacionais, reunidos no I Workshop sobre a Pesca Recreativa no Litoral Ibérico Atlântico, a 11 e 12 de novembro, em Vigo (Espanha), entre os quais esteve a investigadora da Universidade de Aveiro, Cristina Pita.

Os especialistas reunidos no I Workshop sobre a Pesca Recreativa no Litoral Ibérico Atlântico recomendam ainda aos responsáveis de diversos organismos representativos do sector que se construam pontes para fortalecer as relações entre agentes do sector, gestores, pesca profissional e ciência. Por outro lado, aponta-se a necessidade de um reforço do associativismo e da formação dos pescadores recreativos para incrementar iniciativas de colaboração com cientistas e diminuir os conflitos com outros utilizadores dos ecosistemas. Entre os conflitos enumerados, contam-se os conflitos com o turismo e com a pesca comercial.

Também se recomenda a revisão da legislação em Espanha, armonizar o regime de obtenção de dados e incrementar a participação dos pescadores recreativos na tomada de decisão sobre estas matérias.

O director Geral de Pesca da Junta da Galiza, Juan Maneiro, inaugurou o encontro, no qual participaram cientistas, membros de diferentes administrações, pescadores profissionais e recreativos, representantes de organizações não governamentais de ambiente e de outras organizações. Cristina Pita é investigadora do Departamento de Ambiente e Ordenamento e do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), laboratorio associado da UA.

O workshop foi organizado pela Federación Gallega de Pesca Marítima Responsable y Náutica de Recreo, WWF-Espanha, Federación Gallega de Actividades Subacuáticas, International Forum for Sustainable Underwater Activities, universidades de Santiago de Compostela, Minho e Aveiro e contou com o apoio da Xunta de Galicia, da Confederación Española de Pesca Recreativa Responsable e Federación Galega de Confrarías de Pescadores.

imprimir
tags
outras notícias