conteúdos
links
tags
Investigação
Sistema desenvolvido com colaboração da UA
Previsão da qualidade do ar integra dispersão de poeiras vindas do deserto
Sistema de previsão da qualidade do ar está agora mais completo
Um módulo de previsão da dispersão em território nacional das poeiras do deserto, vindas do norte de África, foi integrado recentemente no sistema de previsão da qualidade do ar desenvolvido no âmbito de uma parceria entre a Agência Portuguesa de Ambiente e a Universida de Aveiro (UA). Deste modo, é possível efetuar e integrar a previsão destes eventos naturais, tão frequentes em Portugal, permitindo avisos à população e evitando problemas de saúde.

Também o verão e os tão desejados dias bonitos cheios de sol podem ter um senão: nem sempre a qualidade do ar nestes dias é a melhor… Mas, pelo menos, com a ajuda do Grupo de Emissões Modelação e Alterações Climáticas (GEMAC), do Departamento de Ambiente e Ordenamento da UA, já é possível prever a qualidade do ar, à semelhança do que se faz com o estado do tempo.

No âmbito de um protocolo estabelecido entre a Agência Portuguesa do Ambiente, entidade responsável pela definição e cumprimento das políticas ambientais a nível nacional, e a UA - mais propriamente, o grupo de investigação GEMAC do Departamento de Ambiente e Ordenamento - foi desenvolvido um sistema de previsão da qualidade do ar para Portugal que permite obter previsões numa base diária e fornecer alertas em tempo real à população, de modo a suportar decisões estratégicas para a gestão da qualidade do ar: http://previsao-qar.web.ua.pt/ .

Este sistema de previsão integra um modelo meteorológico e um modelo de qualidade do ar, que juntamente com os dados das emissões de poluentes, estima o estado da atmosfera num tempo futuro. A sua operacionalização foi iniciada em 2007, tendo sido alvo de desenvolvimentos constantes, quer ao nível dos modelos numéricos e dados de entrada, quer da plataforma web. Recentemente foi incluído um módulo de previsão das poeiras do deserto, permitindo assim efetuar e integrar a previsão destes eventos naturais, tão frequentes em Portugal.

A avaliação feita aos resultados obtidos pelo sistema de previsão revelou um bom desempenho, tendo conseguido prever satisfatoriamente os vários episódios de poluição do ar registados ao longo dos últimos anos, explica a investigadora Alexandra Monteiro, do GEMAC.

A utilidade deste serviço, com vantagens para a generalidade da população, poderá ter particular interesse para os grupos considerados mais sensíveis. É o caso das crianças, idosos, asmáticos e pessoas com alergias, doenças respiratórias ou problemas cardíacos. “Evitar esforços físicos ao ar livre, manter-se em casa, procurando ambientes frescos e arejados durante as horas mais quentes”, são alguns dos conselhos da Agência Portuguesa de Ambiente, que devem ser seguidos quando o índice da qualidade de ar previsto apresenta cores de laranja ou vermelho.

Tal como é bom ter a previsão meteorológica para saber se podemos ir ou não à praia, também será importante ter a previsão da qualidade do ar para saber onde será melhor respirar...

imprimir
tags
outras notícias